quarta-feira, janeiro 28, 2009

Retrato do dia...

Antes de entrar ao serviço levei o carro à oficina, para a revisão e inspecção anuais.
No trabalho tivemos a visita de uma equipa de reportagem (leia-se jornalista e fotógrafo) que, tendo atrasado as rotinas do trabalho, tiveram a paciência de me ouvir e gravar tudo o que eu disse (pelo menos o gravador não se queixou de eu falar demais) e que no fim ainda agendaram nova visita com conversa incluída para um dia em que eu (eu!!!) lá estivesse (podem imaginar o quanto eu falei…).
Saí mais cedo porque tinha que gastar as horas de tolerância do Ano Novo, mas mais tarde porque não consegui sair mais cedo.
Fui comprar uma prenda para o F e comprei montes de coisas para mim (tudo livros, ehehehe). Eu depois mostro…
Li um dos livros novos (não se admirem porque o livro é muito, mas muito fácil de ler) enquanto fazia tempo para ir buscar o carro à oficina.
O tempo estendeu-se e até deu tempo para uma troca de opiniões com o encarregado da oficina sobre a minha profissão, as opções que se fazem na vida, e a super-protecção dos jovens de hoje.
O carro passou, mas gastei quase um terço do ordenado.
Lembrei-me então de desafiar o meu F para um programa de jantar-com-quem-sabe-um-cineminha para fazermos alguma coisa de jeito neste dia em que é ele o guarda-nocturno e eu a mulher-a-dias.
Ele necessitava de meia hora para avaliar a viabilidade da proposta… depois de hora e meia desisti de andar às voltas no centro comercial e de me conter muito para não gastar o resto do ordenado. Voltei para casa e aproveitei a fila de trânsito para experimentar a máquina fotográfica do telemóvel (ao menos tirar fotografias já não gasta dinheiro).
Quando cheguei constatei com uma certa tristeza que o meu F se esquece de mim quando outras pessoas o solicitam… resolvi não gastar palavras que hoje já tinha falado muito… mas também não amuei.
As fotos do trânsito...
Ana Cristina

5 comentários:

Joana disse...

Não amuar é uma grande conquista! E depois de uma experiência de oficina ainda maior. Sinto-me sempre muito estupida quando lá vou...
Bjs

Rutinha disse...

ohhhh, parece que o teu f. deve ser familiar aqui do meu c.
ja perdi a conta das vezes q se "perde" a caminho de casa, pq alguem lhe telefona para uma bejeca...uuiii.dantes amuava e muito, agora dou-lhe so um raspanete. ;)
bjnhs amanha será um dia melhor.

Oficinas RANHA disse...

Ainda não tinha comentado, mas cá vai, minha irmã:
1. (Eheheheh), as manas Ranha com os seus dotes de fala-barato, sempre boas para dar entrevistas...
2. Concordo com a Joana, não nos deixarmos amuar já é uma grande vitória...
3. Também concordo com a Rute, um raspanetezito também nunca fez mal a ninguém...
4. Fiquei essencialmente com pena do teu fim de dia. Mas lá está, amanhã correrá melhor (principalmente por causa do raspanete triste a lembrar a tua existência)...
Beijos, muitos, grande e bons,
Rita

Oficinas RANHA disse...

Agora cumpre-me informar que, pela leitura, o meu J não concordou nada com a minha ideia e da Rute que o F tivesse tido uma outra solicitação para outro programa. Defendeu o cunhado com unhas e dentes dizendo que ele teria sido solicitado para trabalhar e que se teria esquecido de te dizer.
Com medo de estar a ser injusta, ficam as minhas máximas desculpas ao meu cunhadinho querido...
Rita

Oficinas RANHA disse...

O teu cunhadito, se tivesse lido de certeza que agradecia a solidariedade...
Ana Cristina