segunda-feira, outubro 30, 2006

Mais uma prenda...

Há umas semanas ofereci, pelo seu aniversário, uma das obras das Oficinas à minha sogrinha...
Deu imenso gozo tentar projectar uma camisola que lhe pudesse agradar, diferente do que é o nosso costume mas que mantivesse a nossa imagem. Gostei do resultado, um tanto ou quanto mais sóbrio e clássico do que o usual... e só tenho pena de ainda não a ter visto vestida...


Rita

sábado, outubro 28, 2006

As pausas também podem ser úteis

Uns momentos de desânimo, a necessidade de suspender as criações das Oficinas RANHA para encontrar o caminho que desejamos, o assentar de ideias, fizeram com que este blog (e as Oficinas) estivessem estado em stand-by na semana que passou.

Hoje, depois de uma conversinha rápida e de uma troca de emails para manter a nossa linha condutora e de uns telefonemas, o desânimo começa a transformar-se em ideias para dar continuidade às criações Oficinas RANHA. Na lista temos; um candeeiro para o quarto da Rita, umas calças de ganga para pintar, uma tela para fazer, algumas carteiras encomendadas e alguns projectos por iniciar ou concluir...

E mostro três anéis da Linha Bijuteria Oficinas RANHA. Feitos com almofadinhas pintadas e bordadas, que caracterizam as nossas peças, aplicadas a uma base de anel ajustável a qualquer dedo. Seguiram para a Loja.

Ana Cristina

quarta-feira, outubro 25, 2006

Mais um filme

Hoje fomos ver "A Dália Negra" e, ao contrário do que eu esperava, não achámos muita piada...
Confesso que tinha grandes expectativas em relação a este filme, devido essencialmente às participações da Hilary Swank (cujas prestações são sempre muito boas) e da Scarlett Johansson. Talvez por esperar determinada qualidade, senti-me um pouco defraudada.
Explicação: a fotografia é bonita, a voz de Josh Hartnett como actor-narrador é linda (aliás, todo é ele é... digamos que uma bela presença) e resulta muito bem numa de filme tipo episódio de série detectivesca à anos 40.
No entanto, a história deixa a desejar, é muito confusa e envolve policiais dentro de policiais, de tal forma que a certa altura nos interrogamos se os restantes espectadores terão percebido algumas ligações ou se seremos nós que estamos taralhocos... Do dito famoso caso da Dália Negra, o filme tem, no fim de contas, muito pouco. Enfim, para quem esteja na dúvida, pode esperar pela forma televisiva deste entretenimento.
E nós que não quisemos esperar mais uns minutos pelo "Volver"...
Rita

sexta-feira, outubro 20, 2006

Baú de recordações


Por aqui abrem-se caixas e malas de recordações. Aproveitam-se as arrumações na casa dos pais para lembrar brinquedos e jogos de infância. Tiram-se fotografias para não esquecer e poder mostrar mais tarde.
Lembramo-nos de todos, mas alguns tiveram especial atenção durante as nossas brincadeiras.
Entre eles, a "Mala da Enfermeira" (que por acaso até é uma cesta) onde guardávamos o estetoscópio, as seringas e algodão, o termómetro, os frascos dos comprimidos, muitas bulas de medicamentos e as fichas de tratamento que elaborávamos para cada doente.
E tanto as amigas, como a Rita, lembram-se que usávamos esta cestinha muitas vezes, porque todas as brincadeiras passavam por um periodo em que era necessário tratar doenças graves, de recuperação prolongada.
Na altura ainda não sabia que havia bebés a necessitar de cuidados de enfermagem ...
Ana Cristina

quarta-feira, outubro 18, 2006

Cheias de "latosa"...


Numa semana que até agora foi pouco bloguística e artística mas que já teve direito a:

- grandes birras de uma filha de catorze meses que por três vezes não quis fazer as suas sestas e até provocou o vómito (com vitória última dos seus pais, que são umas feras...);
- intoxicação de uma mãe por inalação de tintas a óleo com que andou a pintar ombreiras (raios partam as "pequenas" obras desta casa que nunca mais acabam!);
- torcicolo de uma mãe devido às posições que adoptou para andar a pintar as ditas ombreiras (grrr!, idem idem aspas aspas);
- retorno da tia ao trabalho (coitada...);
- grandes birras de uma filha que teima em não querer comer e até provoca o vómito (com vitória última dos seus pais, que são umas feras, mas umas feras um tanto ou quanto cansadas no final de cada refeição...);
- noites mal dormidas de uma mãe por ansiedades relacionadas com o trabalho...

... só resta mostrar uma parte de um conjunto de latas que se anda a preparar por estes lados. É um aproveitamento daquelas latas de leite em pó para bebé, lindas e grandes... E o objectivo era mesmo arranjar uns recipientes para guardar bijuterias. A fotografia não está perfeita, mas eu adoro-as... É que, tantos dias volvidos, era uma grande lata não mostrar nenhum trabalho feito!

Rita

sábado, outubro 14, 2006

quinta-feira, outubro 12, 2006

Carteirinhas

Mostro as cinco carteirinhas de tetrapack do modelo da anterior. Pintadas à mão, com correcção de pequenos defeitos encontrados na primeira. Seguem esta semana para a loja, quando tiver as próximas cinco terminadas.

E não se esqueçam de visitar a Loja, que entretanto já tem novos produtos Oficinas RANHA (dez colares da Linha Bijuteria).
Ana Cristina

segunda-feira, outubro 09, 2006

Rouparia


Por ser a filha caçula, a prima mais nova e uma miúda bem pequena e fininha para a idade, sempre herdei roupa de todos os quadrantes. E adorei. O meu roupeiro estava sempre cheio e, durante muitos anos, a cada mudança de estação, tinha de me reunir com a minha mãe e a arca da roupa para ver o que ainda servia, as bainhas que era preciso descer, o que eu tinha deixado de gostar, etc e tal. Tirando o cheiro da naftalina, recordo-me de gostar sempre do ritual.
A minha filha tem, por enquanto, igual sorte. Roupa linda herdada da irmã do afilhado da sua mãe e emprestada pelas amigas com filhas. Para além da oferecida, é claro.
Acho que um dia até vou gostar de meter e tirar as roupas da Alice de dentro dos caixotes... mas agora, enquanto ela não tem idade para as experimentar e andar a rodopiar pela casa, toda contente, como eu fazia... e mesmo sem a naftalina... eu abomino estar rodeada de sacos de roupa para uma mesma idade mas com tamanhos diferentes, roupas grandes e pequenas, roupas interiores e exteriores, roupas de Verão e roupas de Inverno, sapatos, ténis e sandálias, cachecóis e barretes, chapéus e fatos de banho... e não saber como as agrupar e encaixotar, mesmo que os caixotes estejam mesmo ali em cima do roupeiro e que possa aceder a eles sempre que quiser e precisar... Socorrooooooooooooooooooooooo!!!!!!
Rita

sábado, outubro 07, 2006

Actualizações em curso

Porque vos espreito quase diariamente.
Porque não queria que este espaço fosse exclusivamente um blog de pessoas que gostam muito de fazer umas coisas bonitas que gostam de mostrar.
Porque gosto dos "diários" disponíveis na net, que nos dizem algo sobre as suas autoras. Mas porque tenho o trauma da escrita (acho sempre que não me sei explicar por escrito e que escrevo mal), só hoje resolvi responder a um dos desafios que nos foi proposto, escrever seis coisas sobre mim. Aqui vão:
1º - Em pequena queria ser enfermeira. Depois deixei de querer e, com todas as dúvidas que podem surgir quando vemos que estamos na altura de decidir o nosso futuro, resolvi tentar. Sou enfermeira, já há uns anos. E, se fosse hoje, voltava a tentar...
2º - Sempre gostei de fazer desenhos muito pequeninos. Lembro-me de um dia fazer um desenho para um folheto de propaganda. Fiz um desenho tão pequenino que não foi preciso reduzi-lo para caber no folheto tamanho A5.
3º - Adoro papelarias e livrarias. Não sei, perco-me nelas...
4º - Em criança sonhei ter cabelo comprido e fazer uma trança. Acho que foi a Jo das "Mulherzinhas" que teve a culpa. Reparo nos belos cabelos compridos daquela gente que devia ter vergonha quando diz que antes queria ter cabelo liso, ou ter menos cabelo. Chego mesmo a comentar do tipo "Olha o cabelo dela, tão bonito." Mas hoje em dia digo, invariavelmente , logo de seguida: "Se fosse eu cortava-o". Ou seja, rendi-me aos cabelos curtos. Uma pessoa não pode passar a vida a sofrer, não é? Vingo-me no carnaval e ponho sempre aquelas cabeleiras farfalhudas, compridas, que tapam metade da cara.
5º - Adorava ter espaço. Espaço para montar o cavalete e não ter de desmontar. Espaço para não ter de andar a medir o pouco espaço que tenho.
6º - Um dia gostava de ser mãe...
Mas como já sou tia deixo-vos uma fotografia nossa. De uma tarde de passeio tia e sobrinhita.
Ana Cristina

quinta-feira, outubro 05, 2006

Estão feitos


Os novos colares estão prontos. Fazem parte da Linha Bijuteria Oficinas RANHA, assim como estes dois, que podem ser vistos aqui: 1a, 1b, 2a e 2b. Os novos colares, assim como os anteriores são de dupla face. Seguem amanhã para a Loja.
Em preparação está um grupo de 5 anéis, e umas carteirinhas...
Ana Cristina

segunda-feira, outubro 02, 2006

Até que enfim...!!!!

... é o que pode dizer o pessoal que nos lançou desafios nos últimos dois meses e que teve de esperar até agora para os ver respondidos... e pela metade...

Para a Macati, que ambicionava espreitar para o interior de uma caixa de costura tão pouco profissional como a minha, cá vai:


Nunca tive hábitos de costura. As minhas primeiras linhas e agulhas de moça-dona-da-sua-própria-(hipoteca-sobre-uma)-casa-e-que-já-não-pode-recorrer-às-da-mãe foram de má qualidade, vinham todas juntas numa embalagenzinha de plástico infantil... hoje encontram-se guardadas numa caixa tupperware pouco romântica mas própria para o efeito, oferecida em segunda mão, pela Prima Ana. É aí que se acumulam botões, linhas, lantejoulas, missangas, tesoura e um dedal... de plástico (que, como é óbvio, dá um jeitão, eheheh!)... Para ajudar ao ajuntamento de tal material, uma caixa de lata "emprestada" pela mãe (que é como quem diz trazida lá da casa quase sem ela dar por isso)... cheia de botões, daqueles preciosos, únicos, retirados há uns anos de roupa outrora usada... magníficos!
Por sua vez, para a Rutinha, seis (tantas!) coisas aleatórias (o mais possível...) sobre me, myself and I:
1ª sou um bocado paranóica com o colorido... gosto de tudo às cores (casa, roupa, objectos, espaços...) e a minha vista atrai-se, entre dois escolhas, por aquela que é mais colorida... E falo em paranóia porque, no que toca a decorar a minha casa, por exemplo, quase se poderia falar em... obsessão...?!
2ª tenho problemas em relação a pontualidade e organização de tempo... nunca faço as pessoas esperar por mal e juro que não é o egoísmo que me motiva, sou capaz de acordar muito mais cedo para chegar a horas a um encontro pela manhã... o tempo escorre-me por entre os dedos sem eu perceber como, quando olho para o relógio ou o João me chama a atenção, zás!, já estou atrasada!
3ª apesar de em tempos já ter sido muito gulosa (tanto quanta gulodice é necessária para se comer uma lata de leite condensado às colheres...), hoje sou muito mais adepta de salgadas do que de doces e dispenso bem um bolo, um gelado ou um chocolate... sem esforço.
4ª adoro projectos e planos (daí as listas). O meu grau de felicidade mede-se na directa proporcionalidade dos projectos que ocupam a minha cabeça para o meu futuro, o próximo ou o longínquo.
5ª dentro, talvez, da mesma ordem de ideias, apesar de ser sonhadora, só sonho com coisas realizáveis. Nunca com o ganhar euromilhões, totolotos, etc. e tais... o que é óptimo.
6ª à falta de melhor, o que o João se fartou de insistir para eu pôr e que eu não queria porque não queria... «põe que és teimosa»... ná, não deve ser verdade...
Já está, demorou, mas não doeu... E agora, a quem passar: Aramar, Alma Minha, Cloinca, Anocas, Eglair, à Rutinha o primeiro desafio e à Macati o segundo... E fico à espera!
Rita