terça-feira, dezembro 31, 2013

O balanço possível de uma mulher que, se se deitar de barriga para baixo, está de facto em bom estado de balançar

 
 
Sei que parece estranho para quem possa estar a parir daqui a umas horas... mas às vezes, nem acredito... paro alguns segundos por dia e digo para mim mesma que nem acredito que estou grávida e que vou ter um terceiro filho... que eu quis tanto e que cheguei tantas vezes a pensar que ficaria só em formato desejo-sonho...
O balanço deste ano é obviamente o balanço desta gravidez... foi boa, como as outras, praticamente sem stresses (a nível de saúde)... mas muito mais cansativa, com momentos de verdadeira exaustão (eu a achar que era dos 37 anos, o médico a chamar-me a atenção que era de já ter os outros dois), como que para me ajudar na despedida deste estado de materiosca que eu gostei sempre tanto e que tive sempre pena de não poder ser repetido muitas vezes na vida... Foi extraordinário partilhá-lo com os miúdos e saber que, daqui a pouco tempo, inicia-se para todos uma nova viagem... e, como diz a Joana com tanta razão, se na nossa vida a relação de irmãos foi das melhores coisas que tivemos, então é mais um motivo de felicidade saber que podemos aumentá-la exponencialmente para os nossos filhos...
Em termos de trabalho, guardo com imenso prazer o ter vindo para casa ligeiramente mais cedo (penso que a 10 de Dezembro, com trabalho que ainda me ocupou uma semana). Foi das melhores decisões que pude tomar este ano e que me deu espaço para tudo o que queria: gozar os filhos, gozar o Natal e o Natal com os filhos, gozar este fim de gravidez, gozar a minha família sem pressas. No resto dos outros meses, acho que consegui atingir a maturidade para não entrar em demasiada ansiedade com o ambiente do trabalho... ou consegui reunir-me dos melhores amigos para me ajudar a fazê-lo...
Esta miúda irá nascer em 2014, é praticamente certo. Com ela, espero que venham muitas coisas boas, mesmo que a par com tudo o que sabemos de antemão que não irá ser fácil. Bom ano!!!!!!
Rita

segunda-feira, dezembro 30, 2013

Grande dia, feito de coisas pequenas

Às vezes, os grandes dias estão cheios de coisas boas mas pequeninas.
Como o de hoje:
 
Manhã de brincadeira e jogos de computador.
Almoço de hamburgueres caseiros (dentro de pão com sementes e tudo).
Ida ao parque.
Regresso a casa a tempo de fazer bolachas de chocolate:


De danças malucas ao som de um cd oferecido no Natal (é favor não reparar nas meias por dobrar em cima do sofá):


De um grande banho de espuma com um maravilhoso líquido também oferecido no Natal:


E ainda de um jantar de pizzas feitas em casa (refeição escolhida pelo Vasco no seu segundo desaniversário).

Rita

domingo, dezembro 29, 2013

O artesanato deste ano

Neste Natal, não houve tempo nem possibilidade de fazer as prendas todas, ou quase todas, de forma artesanal... da minha parte, com excepção das mãos dos miúdos cosidas no saco desportivo para os tios (e nuns embrulhos feitos de publicidade costurada), também não houve grandes costuras (a Cristina ainda fez uns Xulés, nomeadamente para a nova sobrinha, um lindo de morrer!!!)...
Para os amigos e familiares pequenos, estas Oficinas voltaram aos pincéis, o que lembrou gozos passados... este foi o resultado:


Rita

sábado, dezembro 28, 2013

Chegaram as quarenta...

Para quem domine mais ou menos esta coisa das semanas da gravidez, hoje faço 40 semanas... em teoria, nove meses. Estou assim:


Ou seja, a miúda ainda está cá. Poupou-nos e poupou-se a nascer no meu dia de aniversário... depois na véspera de Natal e no dia do dito... os dias passam, calmamente, e penso que ela já revela alguma inteligência em deixar-se ficar para Janeiro, acho que deixará o dia do ano velho e o do novo... Vai escolher um dia que seja dela, sem festas e depois das festas...
Tanto quanto diz o médico, parece que isto se deve ao meu colo do útero, que é «muito protector»... ainda por cima «para terceiro filho»... estamos à espera do encaixe... como também diz o médico, assim que a cabeça encaixe, pode ser muito rápido... esta conversa dura há quinze dias ou três semanas, pelo menos...
De qualquer forma, para que não pensemos que se deixou dormir, mexe-se imenso. Na verdade, se se mexer tanto no mundo exterior como se mexe no meu interior, vai ser energia para dar e vender. O facto do espaço não ser muito não parece incomodá-la minimamente, faz pela vida, estica-se quando lhe apetece, indiferente ao desconforto que me possa provocar.
Ora bem, o que temos aqui... uma miúda teimosinha, sem qualquer poder de encaixe e extraordinariamente enérgica... Em duas palavras: estamos lixados.
Rita

sexta-feira, dezembro 27, 2013

Terceiro episódio do nosso Advento

Dia 11 - Hoje temos de acabar as actividades pendentes. Enquanto isso, vamos ouvir músicas de Natal...
Quando o tempo parece escassear, haver uns dias em que se pára para actualizar as actividades (e a nossa mente) é útil... e, por vezes, é a única coisa que se pode fazer...
 
Dia 12 - Amanhã é a festa do Vasco. Vamos fazer um bolo para ele levar.
Por acaso, o Vasco adormeceu... ela é que aproveitou, tivemo-nos uma à outra só durante uns momentos... e soube-nos bem, que estávamos a precisar... se bem que isso ficará para falar a seguir...
 
Dia 13 - É festa de Natal do Vasco e dia do primeiro convívio natalício... Hoje vamos só usufruir desses momentos entre amigos...
E o rapazinho dança tãoooo bem... e gosta, entrega-se, curte o espectáculo... viva as festas dos filhos, adoro...
 
Dia 14 - Dia de cinema de Natal!
Tão simples, mas a Alice ansiava por este dia... fomos os quatro ver o "Frozen" e divertimo-nos imenso...
 
Dia 15 - Vamos escolher dois brinquedos (cada um), quase novos, para doar a meninos que não têm...
Grande sucesso, escolheram cinco!
 
Dia 16 - Hoje é dia de começar a prenda que vamos dar aos avós...
A ideia escolhida (do blog Pais Criativos, filhos felizes) foi um frasco com "O que eu digo sobre os meus avós"... «Só dissemos coisas boas, achas que iamos dizer coisas más?!», disse ela ao avô... Agora é só esperar que eles tenham gostado do que lá encontraram...


Dia 17 - Hoje o dia é todo da mãe! É preciso tratá-la bem e dar-lhe muitos miminhos...
Ainda estive para incluir "e fazer à primeira tudo o que ela pede", mas achei que, mesmo como prenda de aniversário, era algo praticamente inalcançável...
Tive direito a uma prenda muito gira, feita por eles, com a ajuda da tia Cristina (obviamente!):

 
Dia 18 - Dia de fazer prendas!
Este ano, a prenda que eles ofereceram aos tios, foi um saco, de tipo desportivo, daqueles que se embrulha num saquinho mais pequeno e que dá para levar para uma viagem, para a eventualidade de se precisar de trazer mais bagagem... esperemos que as mãozadas dos sobrinhos viajem nos sacos dos tios por muitos e muitos sítios.

 
Dia 19 - Hoje vamos fazer as etiquetas para as prendas...
Este ano ainda não foram feitas por nós... compradas e só escritas, já deram bastante trabalho... talvez para o ano possam ser todas artesanais...
 
Dia 20 - Logo à noite, vamos agasalhar-nos, jantar fora, ver as iluminações de Natal e uma espécie de "circo especial"...
Não foi logo nesse dia que rumámos à Baixa e que vimos o Circo multimédia que lá se encontrava... a Alice passou esse dia mal disposta, acabou por vomitar três vezes... mas dois dias depois, lá estávamos, a reclamar o nosso direito de passeio nocturno...
 
Dia 21 - Vamos fazer uma casa de bolacha...
E fizemos... comprada aqui ... esqueceram-se foi de acrescentar nas instruções, que era conveniente fazer no dia anterior ou no próprio dia em que se pretendia servi-la e comê-la... nem conseguimos tirar fotografia... no Natal só sobravam ruínas... e moles...
 
Dia 22 - Hoje vamos tentar encontrar jogos de Natal no computador... cada um tem direito a uma hora de jogo...
 
Dia 23 - Dia de embrulhar prendas!
Também chegará o dia em que faremos o nosso próprio papel de embrulho... este ano ainda foi dos comprados...
 
Dia 24 - Hoje é véspera de Natal, um dia de muito trabalho...! Todas as ajudas são preciosas...
 
E, por muito que tivesse achado o nosso calendário deste ano um tanto ou quanto aborrecido, achei que tinha compensado quando, no dia de hoje, a Alice lamentou já não ter calendário com actividades...
Rita

quinta-feira, dezembro 26, 2013

Segundo episódio do nosso Calendário do Advento

Talvez porque é o que acontece comigo, tenho sempre a ideia que poderá dar jeito a alguém ver estes posts sobre as actividades do Calendário do Advento, não vá precisar de ideias. Sendo assim, mesmo atrasadas, gosto de as pôr aqui. Continuo então a novela do nosso Natal:

Dia 6 - Vamos tirar uma fotografia de Natal bem gira!


Dia 7 - Dia de actividade de Natal com a tia...!
A tia aproveitou os dias que pediu para passar com os sobrinhos e os três fizeram um filme maravilhoso para toda a família...

Dia 8 - Ao jantar, vamos brincar com a comida e fazer um Pai Natal no prato...
 

Dia 9 - Vamos aproveitar as fotografias que tirámos e fazer uns postais de Natal para quem mora longe...
Temos sempre problemas com os postais de Natal. Houve um ano que os fizemos e não enviámos. Desta vez, começámo-los, não chegámos a acabá-los... agora, já depois do Natal, quando lhes queria colar as fotos e enviar, não os encontro... um dia, havemos de conseguir...

Dia 10 - Hoje, todos irão "dar um pezinho" para criar uma mensagem de boas festas para os vizinhos...
Esta mensagem, feita parcialmente no dia 10, só foi completada e colocada no dia 24, eheheheh... Daqui, o que eu retiro com mais carinho é o apoio do homem da casa... a iniciativa de levar a cabo as actividades não é dele, mas apoia sempre o que lhe peço e disponibiliza-se... obrigadão, homem... és um espectáculo...
 
 
Rita

quarta-feira, dezembro 25, 2013

Manhã do Dia de Natal

Há lá coisa melhor de fazer na manhã do dia 25 do que montar e jogar e descobrir com eles as prendas de Natal...?!



Rita

quarta-feira, dezembro 11, 2013

No dia onze do doze do treze...

... a primeira frase do Vasco quando acordou, foi:
- O meu cérebro está a dizer-me para eu abrir uma prenda...
 
(Desde Domingo que ele é o único que tem prendas por baixo da árvore...)
Rita

domingo, dezembro 08, 2013

Os primeiros dias do nosso advento

Começou Dezembro, começou o nosso Calendário do Advento!!!
Dia 1 - Ir ao teatro com a tia...
A conjugação do fim-de-semana combinado na casa da tia com o aproveitamento de uns bilhetes oferecidos para a peça "Dom Quixote", no TIL... Pena, pena, só tive de ficar em casa desta vez...
Dia 2 - Hoje é dia de montar a Árvore de Natal
Acho piada o reviver de mim mesma na mão deles, a brincar constantemente com os bonecos do pinheirinho... gosto principalmente dos amores que ela inventa, entre anjos e palhaços por exemplo...


Dia 3 - Vamos decorar as janelas com neve falsa


Dia 4 - Toca a fazer a actividade de ontem, ficou em atraso...
É o que acontece nos dias em que o Vasco aterra no sofá depois de chegar da escola e dorme até ao dia seguinte... resultados do final da sesta, este ano, conjugado com o início do karaté.
Dia 5 - Vamos recortar flocos de neve de papel...
Já foi há uns tempos que tentámos (com a Alice) esta actividade, mas as mãos dela eram pouco hábeis para fazer grandes recortes em papel normal... e mesmo em guardanapos tornou-se difícil... desta vez escolhi aquelas forminhas para pôr bolinhos e até o Vasco conseguiu... com algum esforço, mas a janela escolhida ficou linda...



Mais dias daqui a uns dias...

Rita

domingo, dezembro 01, 2013

Coisas de filhos para não esquecer

Na passada sexta-feira, dia 29 de Novembro:
 
Sentada ao computador, no trabalho, de manhã, percebi uns ligeiros movimentos rápidos e ritmados no lado superior direito da minha barriga. Parecia que respiravas, miúda, mas achei absurdo, por te saber sem oxigénio nos pulmões ainda... hoje fiquei a saber, através dos conhecimentos da tia, que sim, que é verdade, que treinas para respirar, mesmo que não o faças ainda... como diz o tio, isso aí por dentro é um verdadeiro ginásio gratuito...
No fim da tarde, como se não bastassem as estreias na minha percepção de ti, senti-te soluçar...
 
E, querendo eu também que seja uma mera estreia de uma lamechice que provavelmente nunca me irá cansar, ouve-se o Vasco, na viagem de carro para casa dos tios: «Sabes mãe... és a melhor mãe do mundo...».

Rita

domingo, novembro 17, 2013

Pesadelos de uma futura mãe de três 1

Pesadelo vai ser quando...

... Tiver que organizar as mudanças de roupa da estação dos três... Ver o que não serve aos três... Devolver o que emprestaram aos três... Dar a alguém o que, sendo nosso, deixou de servir aos dois mais novos (finally!!)... Subir e descer do escadote para tirar o que ainda poderá servir e guardar o que ainda irá dar... Escadotar, desdobrar, fazer experimentar, dobrar, ensacar... A três, a três, a três.........................

SOCORROOOOOOOO!!!!!!!

Rita

terça-feira, novembro 12, 2013

Animais macacos

Já não sei como começou... acho que foi pela sopa, à qual não achávamos piada quando eramos miúdos e depois passámos a gostar... daí recordei que nem sempre havia sopa lá em casa, mas que tinha que levar com ela nas férias em Viana, a todas as refeições, o que me chateava imenso... daí passei para o facto da Tia Alcide não pôr sal nenhum na sopa, o que decididamente contribuía para o seu desinteresse... e vai daí a Alice faz perguntas sobre a Tia Alcide e o pai questiona-a se já não se recordava dela, ao que o lembrei que a miúda tinha pouco mais de um ano na altura em que a minha tia tinha morrido...
E andávamos neste circuito de conversas quando se ouviu o rapazinho ao meu lado: «Isso foi há muito tempo, quando eramos animais?»... Não foi obviamente entendido. Tentou explicar melhor: «Quando eramos animais... ai, quando eramos animais macacos, ai, quando eramos macacos...?»
E pronto, na mente do meu rapazinho de quatro anos, o passado é uma espécie de mistura de teoria da evolução com encarnação budista, em que antes de sermos o que somos, antes de nascermos, antes de irmos parar às barrigas das mães, eramos animais macacos...
Rita

terça-feira, novembro 05, 2013

segunda-feira, novembro 04, 2013

O Halloween deste ano

É verdade que não festejámos o Halloween como em outros tempos, com a família e amigos todos "horrivelmente" mascarados... por outro lado, cá em casa continua-se a viver a data, desta vez através dos pequenos... enquanto se sonha poder voltar a fazer um convívio como o de antigamente, planeiam-se as máscaras pedidas.
 
Este ano, como em outros momentos, fui deixando tudo para o último dia... ele foi convencido a, como no ano passado, ir de esqueleto, uma vez que já tinha o pijama para a ocasião - não oferecia problema... Quanto a ela, não havia roupas cá por casa e queria ir de vampira... Os dias foram passando sem que eu me preocupasse com o evento... na tarde de quarta-feira, tive que me armar de ideias...
 
 `
Corri à Graça, onde comprei à pressão uma capa baratucha, numa loja de chineses... em casa, com um pedaço de feltro vermelho, fiz um corte apressado para uma gola a rigor e cosia-a com um alinhavo à dita capa... não me terá demorado mais de 15 minutos...


Veio depois a escolha da roupa: camisola vermelha, leggins pretas e o único vestido preto da Alice (sim, para quem tem boa vista, o vestido de 04 ou 05 anos tornou-se uma túnica de 08). Aproveitando um papel brilhante colante que havia cá por casa (utilizado há uns anos para a mesma técnica: estrelas numa roupa rosa para uma máscara de fada), recortei uns morcegos e colei-os no vestido túnica... feito já depois de ela se ir deitar, o que originou grandes sorrisos de surpresa pela manhã...

           
No final, os pormenores... um colar dentro dos mesmos tons, as unhas vermelhas (pretas no Vasco) e a maquilhagem horripilante... Eles saíram e voltaram todos contentes e ela referiu até se ir deitar como tinha gostado deste Halloween e a pena que tinha de ter acabado.
Acabou por ser tão bom ter deixado tudo para a última da hora e recordar a mim mesma como os miúdos não precisam de muito para serem felizes e como, posta à prova, eu consigo ser uma verdadeira "idiota"...
Rita

segunda-feira, outubro 21, 2013

Teria feito cem anos ontem

Um dos homens mais talentosos da musica e poesia da língua portuguesa. Amante da vida e constantemente apaixonado, Vinicius de Moraes, deixou-nos uma obra lindíssima. Eu não me canso de o ler e sobretudo de o ouvir. A ele e aos seus amigos e companheiros da criação musical...


No meio de tantas opções deixo aqui o "Samba pra Vinicius" de Toquinho e Chico Buarque. 
Espero que gostem.
Ana Cristina

sábado, outubro 19, 2013

Eu, voyeur de magníficas loucuras

Às vezes, eu estou mesmo ali ao lado, a ouvi-los.
Misturam tudo, brincam com os legos e com a cozinha e com os petshops e a caravana das pin e pon. Depois passam para barbies ou nancys. Ele fala de monstros e heróis e ela responde em linguagem de namorados e beijos. Montam mundos de playmobil. Ela pode ser mãe e ele o filho, com outros irmãos bonecos. Mas ela pode estar presa e ele ser o salvador apaixonado. Ou cães, agora mesmo ele é um cão obrigado a fazer ginástica com uma fita de ginástica ritmica. Dão pinotes no corredor, com um balão. Gargalham muito, correm pela casa toda a fugir um do outro e cansam-nos de tanta excitação e histeria.
Às vezes, quando estou mesmo ali ao lado e me entretenho a ouvi-los, só focada naquela esquizofrenia de brincadeira... sinto-me no paraíso...
Rita

quinta-feira, outubro 17, 2013

Miúda,

Há mais ou menos uma semana fui ao médico falar sobre nós as duas. Como sempre, ele aproveitou e espreitou para os meus interiores, não daquela forma que ele já deve estar mais que habituado, mas da outra, bem mais agradável, que também me permite ver-te.
Foi muito fixe. Estavas a chuchar na língua e via-se perfeitamente o movimento ritmado do queixo e pescoço. O médico ficou animadíssimo por irmos na 28ª semana e já teres «reflexo neurológico». Eu também, claro, apesar de perceber muito menos do assunto. Ainda não tens nome, mas já tens reflexo neurológico e, para já, isso é de longe muito melhor do que um nome.
Como não sei se me vou recordar disto, aproveito para te dizer que mexes imenso. Há dias em que passas o tempo todo a exercitar-te pelas minhas entranhas, há outros em que parece que só te lembras de o fazer de manhã e no fim da tarde ou noite. Além do neurológico, tenho ideia que tens para aí um reflexo qualquer de inconstância, o que me faz prever que vás ter bastantes capacidades para me chagares a tola. Vai com calma, que nós já não somos uns miúdos. Mas aproveita, que nós já não somos uns miúdos.
Confesso-te que me aborrece sentir-te muito mais do que te vejo, quando te olho ficas muito mais parada. Para além do neurológico e do de inconstância, tens obviamente o reflexo do contraditório, mas isso será inerente a qualquer filho, por isso aviso-te que não é propriamente uma novidade. Ainda não te consigo exibir mas, a continuar assim, pode ser que daqui a uns tempitos consiga fazer umas belas filmagens dos teus movimentos-alien-dentro-da-pançola.
Para já, é tudo. Fica bem e exercita-te o quanto possas. De preferência, se me for dado o direito a pedir alguma coisa, que seja quando estamos a ver.
Mãe
 
Rita

quarta-feira, outubro 16, 2013

A nova austeridade

Não sou boa a matemática e não tenho grandes noções de economia...
Oriento-me bem a escrever sobre "emocionalidades", mas atrapalho-me muito no que toca a falar sobre política...
Mas... fico a pensar...
... como é que se estabelecem cortes salariais a quem ganha 600 euros...?
... e por que razão os cortes param nos 12% para quem ganha 2000...?
.... por que carga de água, por exemplo, o nosso Primeiro Ministro, que ganhará como ordenado bruto base cerca de 5700 euros, também só será cortado em 12%...?
... é que, se é suposto os ditos cortes serem "progressivos", por que razão param nos 2000 euros...?
... porque não abrangem os que ganham de facto MUITO?
E, já agora...
.... como é que o Primeiro Ministro pode ousar sequer dizer que quem tiver os cortes previstos, não vai alterar assim tanto o seu nível de vida em 2014???!!!

Rita

domingo, outubro 13, 2013

Os segredos do castelhano

Depois de terem estado praticamente uma hora de volta do you tube, a ver umas músicas de uma qualquer série em castelhano, ajudo o Vasco a calçar-se enquanto ele cantarola:
- "Com un soco, una mirada..."... Mãe, o que é uma "mirada"?
- Uma mirada, em português, é o mesmo que "uma olhadela", "um olhar"...
- E então "com un soco, una mirada"?!
- Hã... isso já não tenho a certeza...
- Já sei! É "um murro nos olhos"...!
Rita


Claro que seria estranho "um murro nos olhos" como verso de uma qualquer canção romântica... agora há pouco, resolvi pesquisar... "Con solo una mirada"... de facto, parecia fazer mais sentido...

sábado, outubro 12, 2013

Está neste momento a dar o filme "Chocolate" no canal foxlife... É uma frustração... Não suporto filmes que não têm absolutamente relação nenhuma com os livros que são a sua base... Tenho dito.
Rita

quarta-feira, outubro 09, 2013

Acicatar

Cenário da manhã sem o pai, que ainda não chegou a casa, do trabalho. Apesar do discurso «hoje estamos sem o pai, precisamos de nos unir, preciso da vossa ajuda para nos conseguirmos despachar», e da resposta positiva pronta dos dois, o filho está particularmente molengão e a filha não ajuda nada. A certa altura, zango-me com ele e reclamo. Já na cozinha, ouço-a a acrescentar qualquer coisa, percebo o tom de voz.
- Alice, para de acicatar!
- Oh mãe, eu não estou nada a acicatar...! Eu nem sequer sei o que é acicatar...!
- Se não sabes o que é, como é que podes dizer que não o fizeste?!
- Então, o que é acicatar?
- Acicatar é ir a seguir aumentar o que foi dito. Eu disse uma coisa e tu ires depois aumentar aquilo que eu tinha dito...
- Ah, isso fiz.
Rita

terça-feira, outubro 08, 2013

O Vasco e a miúda-sem-nome

O Vasco, que agora refere muito a gravidez ou a mana bebé (coitada, ainda não tem nome), lembra-se dela em qualquer momento.
No outro dia foi na casa-de-banho do restaurante.
Ele: - Mãe, está-te a cheirar mal?
Eu: - Não, ainda não.
...
Ele: - Mãe, e agora, está-te a cheirar mal?
Eu: - Hum... ainda não.
...
Eu: - Olha, agora já me está a cheirar mal. Já chegou aqui o cheiro.
Ele: - Ah...! E à mana bebé?
Eu: - Não, a ela não, felizmente para ela, ainda está protegida desse fedor todo...
Ele: - Ah ah ah! Pois, porque se não ficava logo morta, não era?!

Rita

segunda-feira, outubro 07, 2013

A aventura das análises enguiçadas - capítulo 3

Dois ou três dias depois do Dia 2, com fim-de-semana de permeio, D. Rita descansadamente na sua hora de almoço. Toca o telemóvel:
- 'Tou sim, D. Rita?
- Sim, sou eu.
- Oh D. Rita, desculpe, fala aqui do posto de colheitas... É que ligaram do laboratório... e falta uma análise, a do exsudado (rectal ou anal ou lá como seja o nome mais adequado a essa coisinha maravilhosa)...
D. Rita inspira e expira, não é que tenha alguma coisa contra as simpáticas senhoras do posto ou o aprazível espaço do posto, mas tem mais do que fazer às manhãs do que ir lá passa-las:
- A sério?! Mas eu estive aí ainda há dois dias... e fui aí duas vezes seguidas...! Mas foi uma análise que o médico passou... está na requisição...?
- D. Rita, peço-lhe imensas desculpas... mas nós já não temos a requisição connosco, já foi para o laboratório... mas se quiser perguntar ao médico... no laboratório disseram que todas as grávidas fazem esta análise...
D. Rita inspira e expira novamente, pode ser esquecida, comilona, lavadinha, cota com ar juvenil, mas a simpatia ninguém lhe tira, mesmo sabendo que vai ter que levar o rabiosque (literalmente) novamente ao posto:
- Deixe estar, então eu passo por aí amanhã...
 
E foi nessa fatídica manhã, sem incidentes de maior, que a saga verdadeiramente terminou, que ninguém espera que uma #%& de umas análises demore mais do que três dias a fazer...
Rita

domingo, outubro 06, 2013

A aventura das análises enguiçadas - capítulo 2

Dia 2:

Já depois de D. Rita ter entrado no posto à sua hora de abertura, ter bebido o líquido da garrafinha e ter aguardado uma hora. Sentada agora na cadeira das análises, braço estendido. Para tirar o sangue, uma enfermeira novinha e uma senhora mais velha, presumo que técnica de análises, a dar as luzes todas dos procedimentos à primeira.
Técnica:
- Ai, tem umas veias tão boas, nem sabe a sorte que tem...
D. Rita:
- Sim? Mas veja lá, no parto da minha primeira filha a enfermeira teve que me picar três vezes para pôr o soro, foi azar... o que vale é que não me faz diferença nenhuma...
Enfermeira:
- Nem lhe perguntei, e desta vez está à espera de quê?
D. Rita:
- É uma menina.
Enfermeira:
- Ah, fica com duas meninas!
D. Rita:
- Sim, mas também tenho um rapaz. Rapariga-rapaz-rapariga.
Ténica a olhar para D. Rita, enfermeira a falar sobre como um dia gostava de ter dois filhos, mas como namorado estava numa de ter só um. D. Rita a responder como o seu companheiro durante tanto tempo também queria ter dois e como afinal se mudavam os planos.
Técnica (com o tom condescendente com que falava com D. Rita desde o dia anterior, o tom habitualmente usado ou com crianças ou com senhores velhinhos, o que D. Rita achou que fosse já hábito profissional, dada a localização do posto de colheitas):
- Pois, e agora fica pelos três... (atenção, não uma interrogação, mais uma afirmação)
D. Rita:
- Oh sim!!!!! Eu sempre quis ter três filhos...
Técnica:
- Pois, é melhor... até porque, como é muito novinha (!!!!!!!), pode fazer-lhe mal (?????!!!!)...
D. Rita, de repente transformada em miúda-Rita-praticamente-uma-adolescente:
- Mas sabe que eu não sou assim tão novinha...! Tenho 37 anos...
Técnica, de repente transformada em ginasta-que-dá-mortais-de-costas-em-décimas-de-segundos:
- Ahhhhh, então tinha mesmo que ser agora!!!!!!!!
 
D. Rita, de repente transformada em cota-que-tem-filhos-a-roçar-a-idade-em-que-quase-devia-estar-nos-netos, mais uma hora no posto a pensar no que é que a Técnica terá ficado a pensar quando olhava para ela. Ok, que era nova e tal, ainda por cima com a saia de ganga de peitilho, a falar num companheiro... mas fazer mal ter três filhos por ser nova????!!!! Que raios era aquilo? Um atestado à minha ignorância, ingenuidade, burrice?
D. Rita a sair do posto divertidíssima, com história cómica que ainda agora, mais de uma semana passada a faz rir... mas a sentir-se como se de repente, mesmo que por momentos, nem que fosse por breves instantes, tivesse sido olhada com ligeiro, nem que fosse ligeiríssimo preconceito, uma jovem destravada com três filhos seguidos sabe-se lá a viver do quê ou de quem... mas, em todo o caso, uma jovem!!!!!
 
[continua brevemente]

Rita

sábado, outubro 05, 2013

A aventura das análises enguiçadas - capítulo 1

Dia 1

Nove horas da manhã, posto de colheitas bem compostinho de gente. Faço a inscrição, a entrega da requisição, etc e tal.
- Não tenho aqui o dinheiro, mas quando agora for tomar o pequeno-almoço levanto e trago-lhe, pode ser?
- Pequeno-almoço?! Ahahaha, nem pensar, a D. Rita tem que fazer a análise da glicémia, o que significa... hum, tendo em conta a requisição... que tem que ficar aqui, sentadinha, duas horas em jejum...
D. Rita de sorriso amarelo:
- Ah sim? Já não me lembrava como era... pensava que bebia o líquido, tirava sangue e depois ia comer e tirava novamente daqui a uma hora... Duas?! Duas horas?! Mas não costuma ser uma...?
- A requisição tem para fazer passada uma hora e passadas duas...
D. Rita a olhar para o relógio e a fazer contas à vida, nem pensar em aguentar até às 11H15 sem comer nadinha, D. Rita ainda lhe um treco qualquer, que é mulher de alimento...
 
- Tem aqui também o exsudado. Fez tudo direitinho, não fez?!
D. Rita a dizer mal da sua vida:
- "Tudo direitinho"... como?!
- Não teve relações?
- Não...
- E não tomou banho...
- Ah, tomei tomei... (essa agora, D. Rita é mulher de alimento E munto limpinha, mas o que é isto?!)
- Sim, mas não se lavou assim bem, deixou só cair a água... (???????!!!!!!!!!!!!!!!)
- Ah, lavei lavei...
- Ah, não pode ser... tem de voltar noutro dia...
D. Rita contrafeita, já tinha que voltar para as míseras duas horas de tortura:
- Bem, ao menos trouxe a primeira urina da manhã...
- E fez tudo direitinho...?
- Hum... sim, acho que sim...
- Acordou, lavou-se, deixou cair as primeiras pinguinhas para fora do frasco...
- Sim, sim, sim... (credo, mesmo que não tivesse, lá ousaria a D. Rita confessar mais uma idiotice)
 
D. Rita a ir embora, mas não sem antes referir algo que a deixe com melhor imagem no posto:
- Bem, então eu volto amanhã... e desta vez até tinha metade de um limão e tudo...
- Limão?! Para quê?!
- Então, para pôr no líquido da glicémia e saber melhor, não é esse o truque?
- Ah, já não é preciso, agora já são umas garrafinhas com o líquido preparado, até tem para lá um sabor qualquer a laranja...

Agora, alguém me explique... Em que mundo esquizofrénico é que uma mulher tem duas coisas para fazer análise, uma para a qual tem que se lavar qualquer coisinha e outra para a qual convem ir mesmo sujeca...????!!!!! (Pronto, também poderia perguntar-me em que mundo é que uma mulher grávida pela terceira vez se esquece de como é que se faz a análise da glicêmia, mas isso não interessa nada...)
 
[continua brevemente]

Rita

sexta-feira, outubro 04, 2013

E eis que hoje,...

... o Vasco, que não tem abraçado o projecto familiar assim com entusiasmo estonteante, disse à hora do jantar:
- E depois eu vou casar com ela.
E, face aos nossos olhares de incompreensão, esclareceu:
- Com a bebé...
Rita

No dia dos animais


O Pilas manda dizer que se sente muito melhor, está com mais vontade de brincar e de morder as mãos da dona. Ontem foi ao Hospital Veterinário, fez análises e não ficou de um dia para o outro para fazer hidratação endovenosa porque toda a gente acho que ele estava com muito bom aspecto.
Turrinhas, festinhas e mordidelas.

domingo, setembro 29, 2013

"Zarafa"


Hoje, a aproveitar uma extraordinária iniciativa do Dolce Vita Monumental, que pelos vistos andou a dinamizar umas sessões de cinema familiares gratuitas - da qual eu só soube desta última - eu e a Alice fomos ver "Zarafa".
O objectivo deste post é aconselhar veementemente este filme. Porque é absolutamente maravilhoso... desde a animação até à história, "Zarafa" é de facto uma aventura extraordinária vivida por um conjunto de personagens multiculturais: dois meninos africanos, um beduíno solitário, um inventor francês, duas vacas sagradas do Tibete, uma pirata grega e a primeira girafa chegada a França, oferecida pelo Paxá do Egipto para tentar influenciar o Rei desse país a auxiliar numa guerra contra os turcos. Uma história linda sobre a importância dos compromissos e a amizade.
Fica a ideia.
Rita

terça-feira, setembro 24, 2013

Na praia as brincadeiras improvisam-se...

Em casa há um enorme saco de brinquedos de praia mas quando estamos de férias todos juntos, tios e sobrinhos o costume é levar apenas um, de preferência não muito pesado ou muito volumoso. Ou então escolher o que a praia nos pode fornecer para passarmos bons momentos de brincadeira.
Lembro-me sempre das horas a fazer buracos e construções de areia, primeiro sozinha, depois para a Rita, mais ou menos toscas mas sempre fruto de muitas horas de empenhamento. 
Este ano já brincámos, por sugestão do Vasco, às máquinas de gelados feitos de açúcar de areia e de farinha de areia e gelo de areia. Já inventámos histórias com pedrinhas, onde cada pedrinha é uma personagem. Mas o mais espectacular foi a ideia de construir uma "Festa do Avante" com pauzinhos a fazer de pessoas, as carrinhas de gelados são as pedras maiores e existe um palco com músicos e tudo. A foto não é muito elucidativa mas posso garantir que a "festa" ficou o máximo.
Ana Cristina

O Vasco e a pele castanha ...

- Algum de vocês já viu um bebé de cor castanha? - perguntou o Vasco, numa tarde, aparentemente sem motivo nenhum.
- Claro. E tu também já viste. Por exemplo a mana da R, a K é de cor castanha e ainda é pequenina...
- Ahhh, simmm... - responde o Vasco aparentemente elucidado sobre a questão
Passado um bom bocado.
- O tio Fernando nasceu castanho???
***
No meio do almoço, feijoada (feita com feijão preto) de choco.
- Olha o que estamos a comer. Feijões como o tio Fernando e choco como nós...
Ana Cristina

segunda-feira, setembro 23, 2013

As coisas mais simples que os filhos nos ensinam...

Iamos as duas pela rua e eu tentava explicar-lhe como não é bom interromper os outros quando estão a falar, principalmente para dizer e perguntar algo sem qualquer tipo de relação com a conversar. Que era uma coisa pouco respeitadora com as pessoas que falavam. Que uma coisa era participar na conversa e que outra diferente era interromper por si só. Algo deste género.
A certa altura dei por mim a dizer:
- Olha, por causa disso é que há um provérbio, que eu por acaso não gosto nada, mas que me está a ocorrer agora e que é «quando um burro fala, os outros baixam as orelhas»...
Por acaso senti-me verdadeiramente parva ao utilizar um provérbio que eu não gosto e que parece sempre insultuoso sem, ainda por cima, ser minimamente cómico... e ela:
- Oh mãe, isso não faz sentido nenhum... porque, se os outros burros baixarem as orelhas, também não ouvem o que o primeiro está a dizer...
E fez-se luz porque razão, de facto, o provérbio me pareceu sempre tão absurdamente... estúpido... e redutor da inteligência alheia...
Com a minha rapariga, nesse dia, terá sido certamente a última vez que o usei.
Rita

terça-feira, setembro 17, 2013

Mais uma história de filas de supermercado quando se está grávida

Parece-me que todas as grávidas terão histórias das filas do supermercado e dos assentos prioritários nos autocarros... eu não serei excepção...
 
Sexta-feira, Pingo Doce, hora de ponta, que é o mesmo que dizer perto da hora de almoço, quando vão os senhores velhinhos todos.
Eu na fila prioritária.
À minha frente, talvez cinco clientes. Três deles idosos. Mesmo à minha frente, a típica senhora resmungona, não idosa, não grávida, não deficiente, mas provavelmente com a característica cegueira selectiva de muita gente das filas prioritárias e ainda por cima com necessidade de resmungar sobre tudo e todos. Inclusivamente sobre o facto de estar numa fila «para reformados». Mecanismos de cegueira activados, mesmo quando eu encontrei uma conhecida com carrinho de bebé a quem respondi, alto e bom som, que estava grávida de uma miúda.
De repente, um homem novo, estrangeiro, com aspecto de romeno, dois items na mão, questiona a senhora imediatamente atrás de mim, se pode passar porque só tem duas coisas para pagar. Mediante resposta afirmativa, tornei-me completamente invisível, tendo o senhor ido fazer a mesmíssima pergunta à resmungona da frente. Menos compreensiva, diz-lhe que não, que era o que faltava, que ela só tinha uma coisa e estava na fila (correcto, mesmo que na fila prioritária). Não contente, continua na resmunguice, desta vez contra todos os estrangeiros, que pensam que chegam a Portugal blá blá blá e passam à frente nas filas...
A senhora da caixa repara que estou grávida. A resmungona está prestes a ser atendida e eu acho que não vale a pena fazer-me valer do meu direito, ressalvo que havia outras pessoas em situação de prioridade (não a resmungona, entenda-se). A resmungona repara que estou grávida (grande surpresa!) e que não pedi a ninguém para passar à frente, como o dito estrangeiro, blá blá blá, mais uma série de parvoíces xenófobas.
Tenho vontade de lhe dizer que não vejo a coisa assim e que não tenho nada contra quem vem para Portugal trabalhar e tentar a sua sorte, tal como não vejo mal nenhum português tentar o futuro num qualquer estrangeiro. Tenho vontade mas não digo, tenho mais vontade de me despachar e ir embora, estou cansada e muito trabalho me espera em casa.
A senhora atrás de mim vem interceder pelo senhor estrangeiro, perguntar-me se me importo. Olho diretamente para o senhor e explico-lhe que não estou de acordo, porque ele está numa fila prioritária, porque estou grávida, porque estou cansada de estar a pé, porque talvez ele devesse estar a pedir o mesmo favor em outra fila, faria mais sentido. A senhora atrás de mim continua a interceder pelo senhor e tenta dizer-lhe para passar à minha frente, que pode fazê-lo, que é só uma coisa. A senhora da caixa intercede por mim, que ninguém passa à frente de ninguém que não o autorize. A resmungona fica a resmungar contra todos os estrangeiros que vêm para Portugal, inconsciente do facto de, nos tempos que correm, são cada vez menos os de fora que procuram oportunidades cá dentro e cada vez mais os de dentro que correm lá para fora, o que significará alguma coisa.
Pago e venho-me embora, cansada e irritada contra tudo e todos, as resmungonas que resmungam contra todos os outros, mas que se sentem no direito de usufruir direitos que não são seus, os ceguetas que nunca vêm uma grávida na fila prioritária, os que pedem a prioritários para lhes passar à frente porque só têm um item para pagar, os que pensam que, independentemente do que se disse, podem ignorar e passar à frente na mesma... raios...
Rita

terça-feira, setembro 10, 2013

Fórmula de hoje

Rescaldo da Festa do Avante + tarde de trabalho um niquito mais puxada + reuniões escolares dos filhos + filhos a demorarem a deitar-te nos últimos dias + previsão de um acordar mais cedo para toda a gente cá em casa amanhã + previsão do início do ano escolar + previsão do trabalho da festa de aniversário da Alice nos próximos dias

=
De rastos

Rita

terça-feira, setembro 03, 2013

Noções de economia do Vasco, de 04 anos

Enquanto viamos uma reportagem na televisão, há uns dias:
- Mãe, depois vamos para aquela piscina.
- Aquilo não é uma piscina, é um cruzeiro. Um barco grande, tão grande que até tem piscinas lá dentro. E depois as pessoas compram uma viagem e vão passear naquele branco enorme e podem fazer aquilo, ir à piscina, fazer ginástica...
- Depois vamos para ali, para aquele piscina.
- Oh! É muito caro, custa muito dinheiro. Quem compra?
- Eu compro...!
- Sim? E com que dinheiro?
Pequeno momento de silêncio, e logo a seguir:
- Tu dás-me o dinheiro e eu compro.
Rita

segunda-feira, setembro 02, 2013

As decisões dos filhos

Este post também se podia chamar: "Caneco-como-custa-por-vezes-respeitar-as-decisões-dos filhos..."
 
Tinhamos decidido que este ano voltavam à natação. Mesmo que só uma vez por semana, para mim é essencial que aprendam a nadar, a desenrascar-se dentro e à tona da água.
Havia depois as outras actividades. Sem aula de ginástica para a sua idade e depois de ir ver uns minutos de karaté da aula de um amigo, o Vasco falava incessantamente da arte marcial. O que, claro, tem tudo a ver com ele e com as suas paixões heróicas dos últimos tempos...
 
Com a Alice a coisa era mais difícil. Anda na ginástica rítimica há dois anos. Os treinos são intensos, duas horas, três vezes por semana, a levar a flexibilidade até um novo patamar. A mim encanta-me vê-la, é tão elástica e tem tanto jeito... Mas confesso que até nós percebemos que o ginásio não tem conseguido motivar a prática, as miúdas treinam um ano inteiro no duro para exibirem um esquema de minutos num sarau do final do ano. É desmotivante e fez-me encarar a perspectiva da competição de uma forma que nunca tinha pensado, como algo muito mais estimulante do treino. Isso ou a representação. Mas vejamos, até eu, nos meus tempos áureos de miúda nos arrabaldes de Lisboa, fiz muito mais exibições de patinagem artítisca do que ela de ginástica rítmica.. e ela pratica-a com muito mais seriedade...!
Como também ela tinha referido o karaté, demos-lhe a escolha. E ela, com toda a naturalidade, prescindiu da ginástica e seguiu por outro caminho.
 
Confesso que fiquei triste. Não lhe vejo grande tendência para o karaté, mas por outro lado, na ginástica a miúda é um espectáculo. Só não brilha ainda... e talvez eu tivesse a esperança que viesse a fazê-lo, a erradiar aquele brilho de que tem a sorte de, na vida, encontrar coisas em que conjugue o talento com a paixão. Mas claro, ela tem direito a encontrar as suas paixões... ou a escolher outra coisa qualquer, mesmo que não a apaixone... Eu só tenho que respeitar e apoiar, eu sei...
Mas convenhamos, que às vezes custa, custa.
 
Rita

domingo, setembro 01, 2013

Por falar em interpretações...

Portanto, a fazer fé no telejornal de hoje, o Senhor Primeiro Ministro acha que os Juízes do Tribunal Constitucional têm um problema de interpretação da Constituição... os senhores Juízes que não fazem outra coisa que não seja estudar, debater e interpretar a Constituição Portuguesa, são esses, né...? São os mesmos que votam em maioria contra as propostas do Senhor Primeiro Ministro, certo...?
Mas isto deve ser só a minha interpretaçãozita...
Rita

quarta-feira, agosto 28, 2013

Três... a conta que nós fizemos...

São engraçadas as reações quando se conta que se espera um terceiro filho.
Há o grupo grande - talvez não tão grande, mas grande para nós, porque é o nosso grupo, a família, alguém lhe chamou há poucos dias "a nossa comunidade" - que se abre num sorriso de felicidade pelo aumento do "nós".
Há aqueles em menor número, que revelam um pouco de inveja da nossa novidade.
Há um grupo de incrédulos, que diz que somos doidos.
Outro, também de espanto, que nos qualifica de corajosos.
E penso que talvez outro pequeno, com apenas espanto pela decisão e talvez a fazer interiormente contas à vida, à nossa, entenda-se.

Vivemos tempos menos fáceis, é verdade. Cá em casa há dois funcionários públicos, por isso são escusadas palavras (espero).
Será por isso que se fala em coragem...? É preciso ter coragem para ter filhos? Ou apenas para ter mais um filho, tendo em conta os tempos que correm? Ou é por nos aventurarmos nos três?
Acho que é bom poder ter, claro. Mas o essencial é querer ter, não? Essas deverão ser sempre as duas ideias subjacentes ao desejo de ter um filho: querer e poder. A disponibilidade, o tempo, isso vem por acréscimo da motivação. Até a facilidade... é estranho, mas, havendo coisas em que ter mais um dificulta, em outras só facilita. Tornamo-nos obrigatoriamente menos preguiçosos, menos picuinhas, mais pacientes, mais ágeis... até, penso eu, mais novos...
Hoje, a Ana contava as dificuldades de pôr o único filho na cama, adormecê-lo durante uma hora e meia, ao colo, em absoluto silêncio. Perguntava como conseguiamos nós, as amigas, ter hobbies, costurar, cozinhar, quando tinhamos dois. A resposta tem a sua simplicidade. Há coisas que não se conseguem com dois. Não dá. O segundo não permite. Por isso, nem sequer se pode ou se pensa nisso, há automaticamente que explorar outras soluções. E, estranhamente, ganha-se, fica-se com mais tempo, mais capacidades na resolução de situações, mais sentido prático, mais pragmatismo.
Claro que nas rotinas diárias, ter mais um não ajuda. Agora, que temos estado uns dias cá por casa sem filhos, acordamos mais tarde, comemos qualquer coisa. Mas, ao mesmo tempo, quando estão cá, também os obrigamos a uma maior independência, autonomia.
 
Claro que tudo isto são pensamentos. Os meus. De quem espera mais um. E anseia por ele, signifique o que significar. Mais trabalho?! Quero lá saber... Nem sei se sou corajosa... sou, neste momento, só mais feliz...
Rita

terça-feira, agosto 27, 2013

Decisão de hoje

Fala-se muito sobre o facto de irmos deixando de fazer coisas à medida tendo filhos... ok, isto parece estranho... mas que nos descontraimos perante mais uma experiência... e que isso começa na gravidez.
De facto, há algo de verdade nisto. Tinha pensado que iria tirar muitas fotos, uma com a mesma roupa, no mesmo local, de mês para mês (algo que uns primos fizeram e que sempre achei uma ideia excelente). Nada. Até agora, quase não tenho fotos.
E foi isso que me fez tomar uma decisão, hoje. A partir de agora, que estou de 22 semanas de gravidez (cinco meses e meio, mais coisa menos coisa), vou tirar uma foto minha todas as semanas. Vou ali pôr um alarme semanal no telemóvel e já venho.

 
A ver se na próxima me lembro de tirar dali o cadáver do manjerico.
Rita

sexta-feira, agosto 23, 2013

O Chiado



Parece-me inacreditável que tenha sido há vinte e cinco anos.
Eu tinha 12, estava de férias em Viana do Castelo e lembro-me de se falar nisso durante dias e telejornais a fio. Toda a gente devia conversar sobre o assunto, de tal forma foi gigantesco...
Quando eu e o meu primo Pedro viemos para Lisboa, pedimos à minha mãe para ir ver o que restava do Chiado. A ideia que tenho é que a maior parte do entulho já tinha sido retirada das ruas e que tinham construído uma passagem em metal pelo Chiado, uma passagem bem resistente, cinzenta e com tejadilho, como uma espécie de mórbida ponte sobre a desgraça. Recordo-me de estar excitada com a perspectiva de visualizar ao vivo o tão grande horror que tinha acontecido, mas de ter ficado tão impressionada com o cheiro a queimado e o cenário de destruição, que me fartei de ter pesadelos a noite inteira. Nunca mais me esqueci.
É esquisito pensar que tenha sido há tanto tempo, acho que não calculava que fosse há tanto. E é bom pensar que, apesar das más recordações e das duas mortes, o Chiado e Lisboa deram a volta, resistiram, sobreviveram, reconstruiram-se, refizeram-se.
Rita

Eheheheh, consegui resistir a escrever sobre a bebé e a gravidez e tudo o que sinto neste momento, viva...

quinta-feira, agosto 22, 2013

A tão esperada eco

E foi assim que, ontem, entrámos todos para o consultório onde iria decorrer a ecografia morfológica e, durante uma hora, pudemos ver o novo membro da família por inteiro. Braços, pernas, nariz, boca, dedos das mãos e pés, coração, estômago, rins, cérebro, diafragma, sangue para um lado e para o outro. E também um "pipi".
Nos meus interiores mora então uma miúda, com cerca de 442 gramas de peso, ou seja, percentil 50 (o peso médio que parece que os meus gostam de perder após o nascimento).
 
Para nós, desta vez, o género era indiferente, se bem que tendo a pensar que será melhor para o Vasco ter o síndroma de sanduiche conseguindo, pelo menos, manter um lugar único na família, o do rapazola. É engraçado, para quem como eu já quis tanto ter só filhas meninas, voltar a pensar com agrado em vestir os antigos vestidos da Alice, ao mesmo tempo que se sente alguma pena em ter a ideia que vai perder a hipótese de ver repetidas as conversas do pirralho lingrinhas sobre músculos e super-heróis...
Os manos estão contentes, isso é bom.
E a miúda, ainda em regime de SPA, permanece indiferente a tudo isto e também ao facto de ser ainda uma mulher sem nome. Já comunica, desde a semana passada (20 semanas), primeiro em movimentos suaves e quase impercetíveis, e agora cada vez mais e melhor, várias vezes por dia. Chamei-os há uns dias, para encostarem as cabeças à barriga, comigo deitada (era a única posição em que na altura eu sentia alguma coisa). A Alice reconheceu (?) um pontapé... o Vasco disse que ela estava a chorar lá dentro...
 
Agora é que isto vai começar a ser mesmo mesmo MESMO fixe...!
Rita

segunda-feira, agosto 12, 2013

Até agora...

Cinco meses.
Estou com cinco meses de gravidez e tinha planeado para mim mesma falar aqui nestes dias a passar e em tudo o que eles me trazem... ainda por cima tendo em conta que não passarei mais vezes por isso... E afinal...
Veio o final do ano lectivo, e as férias, e a gravidez, e alterações de férias de última hora, e coisas de saúde... e às vezes a noite chega e não me apetece fazer rigorosamente nada, só aproveitar para descansar depois dos miúdos irem para cama... e tudo o que penso e sinto vai ficando para depois, para escrever mais tarde, num outro amanhã...
Portanto, que é assim. Amanhã começo.
Rita

quinta-feira, julho 04, 2013

O Pilas está outra vez internado...

Desde ontem. Por agravamento da insuficiência renal e consequente desidratação, emagrecimento. Parece ter ainda a mesma infecção urinária para a qual já fez vários ciclos de tratamento e que se mantém resistente a quase todos os antibióticos.

:((( Ana Cristina

Sai o Pedro Sai o Paulo??

"Entra o Pedro, entra o Paulo
Dois rapazinhos a saltar à corda
Um chama-se Pedro, outro chama-se Paulo
Sai o Pedro, sai o Paulo."

É impressionante como algumas cantilenas de quando eramos miúdos se mantêm actuais...
Rita