quinta-feira, setembro 17, 2015

Os Bebés de Auschwitz - nascidos para sobreviver

Hoje venho lembrar uma das minhas últimas leituras, num post que há muito não havia por estas bandas. Este livro segue uma temática que me interessa; relembrar o holocausto, a vida nos campo de concentração, e as atrocidades que os homens foram capazes de cometer a outros homens, por motivos étnicos, religiosos, económicos... ou seja políticos.

Desta vez li, "Os Bebés de Auschwitz", um livro lançado recentemente, fruto da pesquisa da sua autora, uma escritora e jornalista britânica de nome Wendy Golden de quem eu nunca tinha lido alguma coisa. Baseado numa coincidência;  a de três crianças terem nascido nos dias que antecederam a libertação do campo de concentração em que as suas mães estavam detidas, por coincidência o mesmo, e de terem sobrevivido os seis, mães e filhos.
Escrito em estilo jornalístico, este livro relata três vidas, de três mulheres que, no final do ano de 1944  deram entrada no campo de concentração de Aushwitz e apesar de todas as provações, sobreviveram. Estavam as três grávidas, ainda no início da gestação. As três negaram a gravidez e conseguiram encobri-la todo o tempo. Foram transferidas para uma fábrica de trabalhos forçados nos arredores da cidade alemã de Dresden e em Abril de 1945, mesmo no final da guerra foram transferidas para o campo de extermínio de Mauthausen numa viagem de comboio que durou vários dias porque o destino foi alterado várias vezes devido à destruição das linhas férreas e da aproximação dos aliados. Chegaram no dia em que a sala de gaseamento funcionou pela última vez. Uma série de coincidências, de pequenas sortes que foram essenciais para a sobrevivência destes três bebés e das suas mães. Nunca se conheceram nem souberam da existência umas das outras.
Quantos outros não morreram nos mesmos dias, nas mesmas horas...
Vale a pena ler este livro, que acima de tudo nos relembra que a capacidade de sobreviver passa também por uma certa alegria de viver, mas sobretudo pelo conjunto de coincidências que nos rodeiam. Neste livro lembram-se várias pessoas que com pequenos ou grandes gestos ajudaram as pessoas condenadas a sofrer até à morte, mas lembra também os muitos que viram e calaram, viraram as costas ou pura e simplesmente continuaram nas suas vidas, e esses foram muitos, muitos mais.

Coincidência também é a do nascimento de uma menina, nos mesmos dias, em terra distante chamada Viana do Castelo-Portugal, e que nascendo sem as restrições por que os outros bebés passaram, também ela sobreviveu, cresceu, tornou-se uma mulher e fez este ano 70 de idade tal como os bebés do livro. Mas a que eu estou a falar, é por coincidência, a minha mãe.
Ana Cristina

quarta-feira, setembro 16, 2015

Piadas desportivas de um filho

1.
No outro dia, o Vasco e o nosso amigo vizinho estavam a jogar à bola no pátio. A certa altura, começaram a rir-se a alto e bom som, sendo que o amigo veio dizer que o Vasco não tinha marcado golo, encontrando-se mesmo à frente da baliza, e sem guarda-redes. O Vasco concordava, bem-disposto:
- Eu hoje estou invencível a falhar remates!!!!

2.
No fim-de-semana, após lhe comprarmos uns ténis novos, ficou entusiasmadíssimo, mostrando-os e falando deles a toda a gente. A certa altura, gabava-se:
- Oh mãe, estes ténis são mesmo bons, até se dobram e tudo, vê lá, é que se dobram mesmo...!


Rita

segunda-feira, setembro 14, 2015

As férias acabaram, pelo menos por enquanto

Este blog estava de férias há uns dias, tal como eu. É verdade, que as férias souberam a pouco mas já passaram e o que interessa é que o novo ciclo se faça, de preferência com sucesso que é como quem diz, que a vida continua. Hoje é dia de voltar às rotinas do trabalho, aos turnos, aos stresses do serviço (que, com a falta de pessoal, ainda se tornam maiores). Uma nova fase se aproxima, e que se prevê cheia de dificuldades e lutas constantes. 
Mas hoje é dia também de inícios para os sobrinhos, de primeiro ano para o Vasco, de segundo ciclo para a Alice. Ontem pareciam entusiasmados, quando preparavam as mochilas do primeiro dia. O Vasco queria, porque achava importante, levar um caderno e um estojo com canetas e lápis na mochila nova e queria guardar o lanche ontem pra experimentar que mochila nova. A Alice, depois de muito procurar e com ajuda, lá encontrou um caderno fixe para levar no primeiro dia, escolheu estojo e ofereceu um lápis novo ao mano para lhe dar sorte. Pareceram contentes e esta manhã mandaram a foto da praxe à tia babada.
Lembrei-me dos meus próprios inícios. Do primeiro dia de aulas não tenho ideia, mas tal era o hábito de acompanhar a mãe à escola que não foi marcante. Lembro-me bem é da pasta da escola. Feita de serapilheira, com uma bolsinha de plástico com lápis de cor, foi o meu pai que ma ofereceu e tenho ideia que foi aos 5 anos porque ainda não andava na escola. Mas lembro-me bem de andar com ela na mão o dia inteiro, de dormir com ela e acordar em pé, no quarto, com a pasta na mão... era mesmo uma paixão.
Mais tarde tive outra pasta, azul escura, como a que mostro aqui mas com os meninos rabinos, uns desenhos animados da época que lembravam que estava na hora de deitar. E dessa também me lembro bem.

Ana Cristina

quinta-feira, setembro 03, 2015

Começa amanhã. E nós, para variar, lá estaremos!


Pode ser que a gente se veja por lá, nesta que é melhor festa do ano...
Ana Cristina & Rita

O livro que se perde faz sempre falta


Há muito que neste blog não se falava de livros. Mas eles por estas bandas não faltam, como sabem. Actualmente falta-me um, porque O PERDI! Ao livro e à maravilhosa capa de livros que o forrava quando acompanhei o pai à consulta no hospital. Fico sempre chateada quando perco alguma coisa... mas agora só posso desejar que tenha sido encontrado por alguém que goste tanto de livros como eu, que o leia e que use a capa muitas vezes.
Por isso, venho por este meio, desejar as melhores leituras a quem encontrou o meu livro.
Ana Cristina