sexta-feira, outubro 19, 2018

Isto de ser aéreo...

Isto poderia ser para o Martim, de 12 anos, que em pouco menos de uma hora se descreveu a si e a uma amiga, por mais do que uma vez, como "aéreos".

Aéreo é...
Ter uma  ideia insistentemente na mente, sonhada ou recordada, 
                                                                                                    ouvir ser questionada acerca das chaves do carro que, mais de uma hora depois, nos apercebemos ter esquecido em casa, vir para casa a pé de mãos dadas com a ideia, regressar depois ao carro, já com as chaves no bolso, vir a conduzir para casa com a ideia no lugar do pendura, estacionar e andar até casa, meter a mão ao bolso e encontrá-lo aberto e sem as chaves de casa, voltar ao carro olhando com a ideia para os cantos do passeio para ver se encontramos o molho de chaves que nem teremos ouvido cair, vasculhar o carro à procura, tornar a casa desejando que as chaves tenham ficado esquecidas, para depois as encontrar num outro bolso fechado do casaco, a namorar com a nossa ideia... 
                                                                                            e ter a certeza que se continuará a sonhá-la ou recordá-la...

Quem não...?

Rita

segunda-feira, outubro 15, 2018

Da doença

Fui ver-te.
Estavas estranhamente parecida com o antes, toda tu mais redondinha, os falsos caracóis perfeitos, tu sentada direita na cama, costas encostadas atrás. Fiquei de boca aberta, falaste comigo, disseste que te sentias melhor mas que era por pouco tempo e que, para além do mais, tinhas muitas dores.
Nem sei bem o que senti... ver-te melhor, conseguir ouvir-te e perceber-te. De tão assoberbada, encostei-me a ti e chorei, de surpresa espantada com o ter-te de volta, mesmo que por período escasso. 
Acordei assim, a gemer do choro sonhado. Escasso mesmo. E desperdiçado.
Rita

sábado, julho 07, 2018

Distorção maior

Vivo a vida que tenho com a normalidade ganha no dia-a-dia, nos gestos usuais, nas caras normais, nos mesmos papéis... Raramente penso a fundo nesta realidade distorcida que é aquela em que me movo e que não é, não pode ser, não está e não pode estar nunca ao alcance das pessoas ao meu redor. Isso é o suposto e não me aflige. E a verdade é que não sou atormentada por essa distorção da realidade que não é a minha mas que visito diariamente.
E depois há semanas estranhas. E momentos maus, verdadeiramente maus, daqueles em que a distorção ultrapassa o inimaginável, até para quem se habitua a ter essa fasquia elevada... em que se sabe que, fazendo o melhor e mais que se possa fazer, nunca haverá nada, em lugar nenhum, capaz de compensar a deformação que não era suposta...
Nesses dias, vive-se. E sobrevive-se. De preferência com os filhos, o marido, os amigos, os programas que nos capacitam que há sempre alguém, algures, a dar o máximo por um mundo melhor. Para que não tenhas que lutar sempre contra uma distorção maior. 
Rita

sexta-feira, julho 06, 2018

Quatro anos de MISHA

Fez hoje 4 anos que chegou cá a casa. Era uma bebé-gata com cerca de 3 meses, aparentemente grande para a idade. Vinha mais ou menos desconfiada mas adaptou-se bem e num instante adotou-nos como família humana. Continua uma menina-gata linda, de olhos grandes e pêlo comprido. Tão confiante que nunca parece ter medo. Mantém-se reguila mas não tanto como em bebé, e as plantas cá de casa continuam a sofrer os seus ataques. Agora é uma irmã mais velha, daquelas que ajuda nas traquinices mas não é quem dá mais nas vistas, que faz as asneiras mas disfarça bem melhor que o mano.
Não festejámos a entrada dela na família (não deu tempo) mas eu ainda consegui tirar umas fotos da peluda. Aqui está a Misha, numa foto de hoje... e é linda, não é?

Ana Cristina

domingo, junho 10, 2018

Quase que tenho vergonha

É verdade. Quase que tenho vergonha de vir aqui escrever depois de tanto tempo ausente. E se pensam que agora estou virada para outras redes sociais, não estão completamente errados, porque, nos últimos tempos, tenho visitado mesmo que pouco, o facebook e o instagram mais do que tenho vindo aqui. Claro que isso não tem desculpa, até porque este é, ainda, o cantinho onde mais me interessa deixar a minha marca... mas também o que obriga a mais método de dedicação, e por consequência, mais tempo para fazer um post minimamente interessante. E tempo não tem abundado por estes lados. 
A juntar ao dia-a-dia de enfermeira, sindicalista, filha de pais mais ou menos dependentes, há uns meses também se juntaram as pesquisas, os trabalhos e estudos, porque estou a fazer uma pós-graduação. E voltei a não ter tempo para os meus pequenos prazeres pessoais. Tenho deixado de parte os meus pequenos desenhos e pinturas, os Xulés estão por fazer, e os livros já se acumulam há muito. Mas tem sido bom voltar aos estudos. É mais ou menos um sentimento agridoce, onde o doce é a aprendizagem e a energia que se ganha com o estimulo do estudo, e o acre é a falta de tempo para todas as outras coisas que gostamos de fazer. E vir aqui ao blog está incluído nessas faltas.
Voltei hoje, sem promessas, e com vontade de aqui aparecer muito mais...
A todas as nossas visitas Olá Olá, cá estou eu... viva!!!

Mostro-vos a pequena parte da estante de livros por ler...
Ana Cristina

sexta-feira, abril 06, 2018

Ida à biblioteca



Fomos inscrever-nos à biblioteca.

Gosto de bibliotecas. Para além de estarem cheias de uma das coisas mais espetaculares do mundo, são representativas de uma ideia filantrópica excecional... quer dizer... quem é que se lembrou de criar um espaço em que a literatura estivesse ao alcance de todos, sem custos, por períodos de tempo mais ou menos alargados... Se pararmos para nos debruçarmos sobre a ideia de algo que já tão comum e adquirido nas nossas vidas, apercebemo-nos do quão verdadeiramente magnífico o conceito é. 

A nossa biblioteca não fica muito longe de casa (dá um passeiozito bom) e não é muito grande, mas faz parte da rede BLX, o que significa que podemos dar conta do nosso interesse por um qualquer livro que não exista ali e virá o dito de uma outra da mesma rede. É, portanto, o mesmo que ter ao nosso alcance os livros de quase vinte bibliotecas!!! Podemos requisitar livros e filmes por 15 dias e renovar a sua estadia na nossa casa, através de diversas vias, por idêntico tempo. Também temos acesso aos periódicos que não sejam mais atuais, sendo que fiquei igualmente deliciada com a perspetiva de no próximo mês poder requisitar a National Geographic de Abril...

Inscrever-me nas BLX fez-me recordar dos tempos de escola e do bom que sempre foi ir a bibliotecas... E apesar de ter sido comedida nas escolhas e de ter trazido somente dois livros - tenho ainda novos em casa para ler -, entre mim, a Alice e o Vasco, saímos de lá maravilhados com a ideia de dez novas leituras e quatro filmes para os próximos tempos...

Rita