segunda-feira, novembro 30, 2009

Felicidade

Hoje, depois de um encontro inesperado com uma amiga muito importante, de quem gosto muito e a quem desejo o melhor do mundo, fiquei a pensar no sentido de felicidade e perfeição.
Haverá por aí essa coisa de trabalho perfeito, relação ou companheiro que nos faça 100% felizes, alguém que goste de si exactamente como é e sem se querer mudar nadinha de nada...?! Ou tudo dependerá do olhar com que olhamos, da predisposição com que esperamos, da forma como acarinhamos o que temos, mesmo que interiormente desejemos mais e por mais lutemos...?! Ou será que lutar por mais significa virar costas à felicidade que se tem e se acredita ser incompleta e trocá-la por algo que ainda só se procura...?! Será que não existe um sentido implícito de fuga quando deixamos de acreditar em algo pelo qual também é esperado que lutemos para alcançar a tão afamada felicidade...?!
Será honesto ou cobarde desistir de algo que não nos faz totalmente felizes...?!
Será honesto ou cobarde não desistir de algo que não nos faz totalmente felizes...?!
Rita

quarta-feira, novembro 18, 2009

Os meus dois

Ter dois filhos é muito bom. Nada é só a dobrar. Nem a companhia, nem o amor, nem o riso, nem as brincadeiras, nem o trabalho. Eles são dois, mas tudo é a triplicar, a quadruplicar, a quintiplicar, eu sei lá... O trabalho também, pois claro que acredito nisso e vou aguardando pelo seu acréscimo à medida do desenvolvimento do Vasco. Por agora, enquanto o rapaz pequeno ainda não se locomove sozinho, as rotinas e tarefas, embora a multiplicar, parecem surgir naturalmente, como se sempre tivesse sido assim.
Há uns meses, as noites em que me sabia sozinha com a Alice avizinhavam quase sempre alguma tensão, a previsão de aborrecimentos e maiores níveis de ansiedade e cansaço. Eu estava grávida e ela estava mais difícil. Agora, tudo se desenrola por si, eu saio duas horas mais cedo e só tenho de me esforçar mentalmente por não me deixar aborrecer com as coisas do trabalho... e ficamos só nós, para nós, todos uns dos outros, com o tempo todo e a vida toda para usufruirmos de nós... e eles são dois, mas são muito mais do que a soma das partes, são um mundo inteiro... o meu.
Rita

terça-feira, novembro 17, 2009

Prometem-se novos cantos para esta casa!

Ai, estou tão contente...!!! Já consegui comprar os tecidos para os cortinados da minha marquise...!!! E já sonho com eles feitos e postos, e com as fotografias que vou finalmente poder pôr na cómoda, e com todas as molduras e afins que vou poder pôr na parede... ai que bom que vou poder deixar de me preocupar com o facto das coisas descorarem... se calhar até vou ficar contagiada e acabar os restantes projectos pendentes, ai que bom, estou tão contente!!!!
Rita

segunda-feira, novembro 16, 2009

"Cães e gatos"

Hoje, enquanto atravessava Lisboa, o IC19 e a 2ª circular a chover desalmadamente, olhando para os lençóis de água nas estradas à minha frente, passou-me pela cabeça como se terão lembrado os anglo-saxónicos de inventar a expressão "chover cães e gatos " ("it´s raining cats and dogs")...
Por muito que eu goste do nosso "chover canivetes", imaginar cães e gatos a cair do céu sempre foi muito mais divertido, uma coisa assim entre uma cena de desenhos animados e a chuva de sapos no "Magnólia"... Terá sido pelo barulho...?! Pelo peso que as gotas atingem (se bem que aí dou mais razão aos canivetes)...?!
Tenho ideia da primeira vez que ouvi a expressão e da adoração que o seu nonsense despertou em mim. Por essa razão ela pegou e nem me lembro de a dizer na língua original. Para mim, hoje choveram cães e gatos, e só o imaginar da cena já é passível de me arrancar sorrisos, mesmo que no meio de um trânsito infernal, às pressas para cumprir um horário e cheia de cuidados para não bater nos carros da frente, de trás e dos lados.
Rita

sexta-feira, novembro 13, 2009

ACABEI !!!

Ou seja, entreguei hoje a versão finalíssima da minha Tese. A partir de hoje só falta defendê-la... e que corra tudo bem, claro.
Beijinhos a todas as nossas visitas. Se sentiram a minha falta, quer seja nos vossos blogs quer aqui por este cantinho peço desculpa. Em breve terão notícias minhas. Se não sentiram, ainda bem que aproveitaram bem este periodo sem a minha presença, porque depois do descanso a que tenho direito voltarei a aparecer por aqui.
Ana Cristina

quinta-feira, novembro 12, 2009

Continuação da saga: "A minha filha é uma galdéria" - ou, melhor assim: "A minha filha é uma verdadeira mulher moderna"

Em continuação da fase "homemrenga" (qual será o antónimo de "mulherenga"?!)...
A Alice, depois da saída da consulta de otorrino:
- O Dr. Paulo é muito amoroso... [pausa e qualquer coisa como]... tem uma gravata... [e a seguir algo como]... o Dr. Paulo é bonito.

***

Com sorriso de dengosa:
- Eu agora também sou namorada do Afonso, como a R. e a Rita... [coitado!!!!]
- E então o Martim? Não namoravas com o Martim?
- Mas eu também sou namorada do Martim.
- Então és namorada do Martim, depois também querias namorar com o Ricardo e agora também és namorada do Afonso...?
- Eu namoro com quem eu quiser! [mas imaginem isto com a firmeza de quem sabe o que quer... e depois uma mãe a pôr a viola no saco]

Rita

quarta-feira, novembro 11, 2009

Amores

Enquanto eu mudava a fralda ao rapaz pequeno, ela fazia-lhe momices e tratava-o por lindo muitas vezes seguidas. E de repente:
- Oh mãe, porque é que o mano é lindo? Ele é lindo?
- Não sei filha, o que é que tu achas? Assim quando olhas para ele...
- É mais bonito do que os outros.

Rita

segunda-feira, novembro 09, 2009

Primeiras vezes

Ela, na sexta-feira, depois de chegar da escola:
- Hoje o Martim deu-me um beijinho aqui na bochecha, no recreio...
- E tu, gostaste?
- Gostei. Mas fiz assim com o braço. [basicamente, esfregou o beijo do rapaz da bochecha]
- Porquê?
- Não sei...

***
Ele, no domingo, durante a festa de anos da Rita, quando estava ao meu colo, aceitou o chamado da Mané, e lançou-se pela primeira vez para os braços de alguém. Como nunca mais o fazia, é uma data a recordar.
Rita

quinta-feira, novembro 05, 2009

Coisas que não vos devem interessar para nada


Há uns dias atrás entrámos num super-mercado junto ao trabalho e a Micas reparou nelas. "Peta-zetas". Fez uma grande fita e comprou, para recordarmos. As de coca-cola, que até são mais caras e tudo. Depois o João ficou de fora e nós, eu, a Micas e a Van, dividimos. Fizemos uma espécie de brinde, levámos as ditas à boca e ficámos de boca fechada e olhar em suspenso, a repetir a sensação já esquecida. Devemos ter andado para aí uns vinte anos para trás... e foi bom.
Rita

terça-feira, novembro 03, 2009

Ela e os puzzles

Nos últimos tempos, ela anda novamente interessada em puzzles. Noto o seu acréscimo de competência e em como já faz sozinha alguns para os quais solicitava sempre ajuda.
Sempre gostei de fazer puzzles com ela. Agora reparo ainda melhor e delicio-me, embevecida, com a sua expressão concentrada à procura das peças, as mãozinhas de menina a tentarem rodá-las e colocá-las nos locais, a compreensão dos truques que sempre lhe tentei ensinar, o olhar de quem encontrou o que queria, o ar imperceptivelmente vitorioso no final. Observo-a e apercebo-me da minha sede de a guardar, e aos seus desenvolvimentos, em fotogramas na minha recordação...
Rita

domingo, novembro 01, 2009

Uma boa música para começar a semana

O som aqui não é grande coisa mas a letra é linda e a música também... dá mesmo vontade de ter alguém que nos agarre e nos leve a dançar como se de um tango se tratasse... isto, caso alguém decida questionar que o "Vida tão estranha" seja um tango... é como me soa... O senhor meu pai, dança?


Rita