sexta-feira, julho 25, 2008

E depois não querem que as crianças fiquem traumatizadas...

Nestes mais de oito anos a lidar com meninos pequenos já encontrei nomes muito esquisitos. Assim de repente lembro-me, por exemplo, do Chocholino, da Jearcinercia, do Kleidyr, do Shaara e do Rickelmy. Mas duas gémeas a chamarem-se Somerda e Bereta é que não estava à espera.
Dizem que Bereta é nome de arma, mas o que quererá dizer Somerda???


Ana Cristina

11 comentários:

Oficinas RANHA disse...

AHAHAHAHAHAHAH!!!!!!!!!!!!!!
Realmente, passei a acreditar naquela que me contaram da criança brasileira a chamar-se Coca-Cola... quer dizer, o que será pior do que Somerda????????????
Rita

Anónimo disse...

e nºao conseguiste convencer esses papás iluminados a não registarem assim as pobres criançinhas????
beijinho
D

Oficinas RANHA disse...

Os papás das meninas sortudas são romenos e, ao que parece, o pai tinha tudo bem planeado. Eu pergunto-me é se esta gravidez terá sido desejada... Se uma ainda fosse Somerda e a outra fosse um nome do tipo Fodere (que até é um nome de uma localidade grega) eu podia tentar denunciar o caso como maus tratos psicológicos, mas o pior é que a outra tem nome de arma (o que deve ser motivo de orgulho)...
;))) Ana Cristina

Joana disse...

Confesso que estou farta de todos os joão e ana (os nomes default) que para aí andam... embora esses nomes não seriam a minha escolha, gosto mais de um mundo onde há mais que 10 nomes para usar, e não temos que nos cingir a uma lista.
Bjs

rutinha disse...

chocholino???qdo tiver a escolher o nome do meu pequenino já sei q quem vou pedir dicas eheheh

Sónia disse...

Espera.....mas nós não temos regras?!?!?

Tadita da criança! Que vai ficar por cá (quase certo!) e vai ser tão gozada logo np berçário!

Oficinas RANHA disse...

Pois é, amigas, os nomes que se dão aos filhos dependem também dos países de origem dos respectivos pais,e na verdade alguns não são autorizados... O do Chocholino não foi, e puto lá ficou com um outro nome feio que eu não me lembro, mas a mãe fez questão de dizer que esse seria o seu apelino. Ou seja, um nome feio e um apelido horroroso...
Quanto à Somerda ainda não sei, não está ainda registada. Esperemos que não seja possível.
;) Ana Cristina

Joana disse...

as regras são iguais às que havia na Alemanha antes da queda do muro: Se os pais são portugueses têm que escolher um nome da lista secreta que está escondida nos registos e a que ninguém tem acesso (eu já pedi!). Se os pais forem estrangeiros, podem pedir um papel na sua embaixada a dizer que o pais de origem autoriza o nome, e se assim for podem por esse nome. Esperemos que caía aqui um muro e se mudem as regras um dia para que possa haver mais nomes esquisitos a que nós reagimos mal, mas que acabamos por nos habituar.

Oficinas RANHA disse...

Oh Joana... será que nos habituaremos ao nome Somerda...?!
As pessoas poderão ter direito a pôr aos filhos os nomes que quiserem... mas sem pensar neles ou na sua vida...? Porque Somerda aqui no nosso país não me parece ser um nome que vá deixar uma criança ser muito feliz no seu dia a dia... pronto, não estamos a falar daqueles pequenos "insultos" tipo "Rita batata frita", "Ana banana", essas coisas... Somerda...?! Reagimos mal...? Não me parece haver qualquer hipótese de nos habituarmos e passarmos a reagir bem... a menos que merda deixe de significar no nosso diccionário:«matérias fecais, excremento, porcaria, coisa insignificante; indivíduo reles e sem dignidade; droga; interjeição indicativa de desprezo,repulsão ou exasperação» (in Priberan)
Mas claro, isto penso eu...
Beijinhos a todos, Rita

Alma Minha disse...

Pois com um nome destes eu desistia logo ao nascer...
Beijo

DM disse...

Escolhemos os nomes, e todas as outras coisas da maternidade/paternidade com as pessoas que somos (e que vamos conseguindo ser). A visibilidade ajuda a melhorar o mundo. Voto que tenhamos nomes esquisitos para que a maternidade e paternidade fique mais uma vez visivel e para que se possa discutir o que significam, ou não ou nomes.
Nisso estou com a Joana: que deitemos abaixo esses muros invisiveis que nos oprimem sem darmos por isso.
Beijinhos, Dina mite