quarta-feira, fevereiro 27, 2013

Esforço monstro para a descontração 1 - Cedência ao cansaço de um dia de trabalho 0!!!!!

O Vasco é de birras. O que significa que, por vezes... quase sempre, quando é contrariado, vai de birra para nos convencer, demover, fazer ceder, irritar, passar dos carretos, o que quiserem.
 
Hoje cheguei mais tarde a casa e fiquei de lhe dar banho. Ele não queria. Primeiro, tinha que ser o pai, que, coitado, bem que tinha aguentado as pontas sozinho até ali, e tinha acabado de se sentar para ver o Benfica. A seguir, queria ver umas músicas do Paulo Carvalho no computador, com a mana. Disse-lhe que ele as veria depois, quando acabasse o banho. E pronto, quando se dá por isso, choradeira instalada...
Até à casa-de-banho já tinhamos conseguido chegar, pelo menos. A Alice via as músicas lá dentro, no computador. O pai, ali mesmo perto, tentava ver o seu futebol. E nós os dois ali, juntos, a enfrentar a birra, de porta fechada, para que, ao menos, fôssemos os únicos incomodados.
Olhei para ele, com olhos de cruzes-não-tenho-pachorra-nenhuma-para-isto-depois-do-que-passei-a-tarde-a-ouvir... E depois deu-me. Não o desespero, a gritaria, o descontrolo, não. A tranquilidade zen. Olhei à minha volta e agarrei no livro que lá estava. Sentei-me na sanita e pus-me a ler com banda sonora: o puto a chorar que nem um desalmado, a bater com os pés no chão, aos urros. Interrompeu para dizer que tinha ranho e depois ainda piorou o choro quando lhe propus limpar-lhe o nariz com papel higiénico... porque claro que para o moço, tinha obrigatoriamente que ser com o papel da cozinha. Continuei a ler depois de lhe explicar que, se quem o assoava era eu, era eu que também escolhia o papel com que o fazia.
Claro que a certa altura o choro começou a espaçar, a ficar forçado. Até ao momento em que concordou que tinha terminado. E o mais cómico é que eu li, li mesmo, consegui a ausência necessária para não deixar que a meio metro de mim, a birra me incomodasse.
A vingança veio no fim do banho, quando me perguntou porque é que não podia brincar na banheira, e lhe expliquei que o tempo não passava e que ele tinha passado demasiado do dele a chorar...
Rita

3 comentários:

Oficinas RANHA disse...

Minha querida irmã. Como consegues é que não faço ideia, mas gabo-te a paciência que eu acho que não teria.
Ou se calhar até teria... não sei...mas duvido.
Beijinhos da MQ

Joana Mendonca disse...

é tão bom quando se consegue... e penso sempre, porque não é assim todos os dias? bjs

Oficinas RANHA disse...

É verdade, nem sempre se consegue... mas quando pensamos que com isso lhes damos mais... mais oportunidades, mais opções, mais qualidade de vida... e, no fundo, a nós também... damos-nos mais e melhor a todos e com isso penso que os estamos a criar para serem melhores, e no fundo, a possibilitar um mundo melhor... parece simples, mas aprender a controlarmo-nos não o é, mesmo nada...! É muito mais fácil ser impositivo por si só...
Mas, Cristina, conseguirias sim, como pessoa inteligente e reflexiva que és, farias por consegui-lo se tivesses essa oportunidade... Beijinhos, Rita