quarta-feira, junho 18, 2008

Guerra!


Já há uns anos, desde que viemos cá para casa, esta mesma casa velha que eu adoro e que é a nossa, que de longe em longe aparece uma ou outra barata. Grandes, enormes, gigantes, as maiores que já alguma vez vi. Mesmo. O João convenceu-me(nos) sempre que viriam da rua e o receio de uma praga acabava por passar com o decorrer do tempo sem que aparecesse nenhuma.
Nunca mencionei o assunto a ninguém, exclusivamente por causa do preconceito que penso que todos temos, em relação ao facto do detestável bicho aparecer em locais menos limpos (uma redondo engano, segundo as minhas pesquisas)... Mas no último mês e meio já apareceram mais do que "uma de longe em longe"... E o cúmulo foi quando na reunião de condomínio um outra moradora do prédio falou nas baratas que tinha visto na escada. E depois um outro morador falou que também já tinha tido uma ou outra e depois outro repetiu...
Conclusão: temos uma praga. Uma praga de mostruosas e asquerosas baratas no prédio (sobre as quais já aprendi serem americanas de nome). Já investiguei (por falar nisso, partilho inteiramente a opinião magnífica do Nuno Markl sobre o tema), já comprei produtos, já sonho com as ditas cujas e vejo-as em todos os nós da madeira. Instaurei esta como a última guerra caseira. Fora de mim já providencio as minhas armas. Dentro de mim, morro de pavor e nojo que as bichas passeiem por cima de nós enquanto dormimos. Ou que as calque com o pé nu quando ando descalça pela casa na penumbra.
Resumidamente: socorroooooooooooooooooooo...
Rita

10 comentários:

Oficinas RANHA disse...

Antes de ser enfermeira nunca tinha visto nenhuma... durante uns 4 anos tive a oportunidade de experimentar nas ditas cujas os mais variados meios de as exterminar... MORREM COM ÉTER, ahahahahahahahahahah
Ana Cristina

Sónia disse...

ISSSSSSSSSSSSSSSSSO é que eu não aguento!! BARATAS!!!! Tenho pavor!!!!! Nojo!!! E o barulho quando as pisamos?!?!?! Não lembra!!

A 1º casa dos meus pais tb era muiiiiiiiiiiiito antiga!! E eu não me lembro bem, mas diz a minha mãe que era imensas as que passeavam de noite pela casa!!!! Ela ainda hoje tem trauma!! E eu fiquei com trauma tb!!! A ponto de ver baratas em todo o lado!!!

Sempre que vou para fora de ferias para um sitio de calor me lembro das minhas "amigas"!! Mas já vi mais por cá do que nesses sitios!! Ok, nunca foi a Cabo Verde! Que dizem ser o Paraíso da Barata!!!


Começa a lavar o chão com ÉTER!!!!

Anónimo disse...

ah ah ah ah, baratinhasssssss tão fofinhas!!!! (tou a brincar tenho nojo delas que me arrepio só de falar) mas não posso deixar de me rir por causa do meu pai. Eu explico: Sempre que ele relata o feliz acontecimento que foi o nascimento do meu irmão mais novo faz questão de mencionar que foi de madrugada levar a minha mãe à MAC e quando regressou já de manhãzinha encontrou um quadro lindo!!! o meu valente irmão mais velho, no meio da cozinha, de vassoura em punho a matar uma barata e eu cheia de medo atrás da porta. Claro que como estávamos em casa sozinhos o meu irmão assumiu o comando do reino e a morte daquela barata ficou para sempre na história da nossa familia ih ih ih .... (Tenho a certeza que toda a gente deve ter uma historinha qualquer com uma barata de estimaçao)
Beijos e espero que chamem rapidamente uma empresa especializada para resolver esse assunto.
D

Oficinas RANHA disse...

Mana, essa das baratas morrerem com éter faz-me lembrar aquela anedota: é só pegar na baratinha, abrir-lhe a boquinha e enfiar-lhe o éter lá para dentro... ahahahahah!
Estou a rir-me mas acreditem que não tem piada nenhuma, de cada vez que de manhã se enfia o chinelo, pensar que poder lá estar dentro uma baratona daquelas...!!!!!!
Rita

Ana disse...

lembrei-me de uma historia de baratas.
Trabalho num infantario em Nova Iorque. No Verao levamos os meninos ao Central Park Zoo (parecido com o do filme Madagascar). No Zoo ha muitas actividades para as criancas. Num dia de Verao ha muitos anos levei o meu grupinho de meninos ao Zoo para ver uma peca de teatro. A peca era acerca de uma barata brasileira que tinha vindo ao engano numa mala de um turista directamente da floresta amazonica. Ora a barata brasileira era simpatica e nao conhecia o terror que os humanos tinham dela (baratas em geral). Travou amizade com uma barata Nova Iorquina que lhe explicou o horror que era viver aqui (entre armadilhas, venenos e vassouras, havia de tudo). Enquanto a barata americana explicava a brasileira quais os melhores lugares para se esconder dos humanos assassinos, um aluno meu comeca a gritar
"my mommy knows where you live. You live under our refrigerator. Under the refrigerator is not safe"
e eu ...

Oficinas RANHA disse...

AHAHAHAHAHAHHAHAHHAAHAHAH
essa é muito boa, Ana
Ana Cristina

macati disse...

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiik... detesto mas era sempre a mim que me chamavam para matar... e eu com ar de nojo e vassoura na mao e bater com muita muita força

pimenta rosa disse...

odeio...malditas! também eu tenho uma história de baratas... para conseguir matar uma e porque ela ía a fugir desalmada e a trepar por um móvel da cozinha achei que ao pontapé dava cabo dela num instante, mas não o resultado foi o puxador que fazia parte da própria gaveta partido e a minha tia furiosa(e nem era uma casa velha!)

pimenta rosa disse...

ah então e a caçadora felina que aí vive não faz nada???

Oficina das Linhas disse...

Bem, parece que o terror a baratas não é só meu, hi, hi... Só de falar delas, deixa-me arrepiada e cheia de comichões... No ano passado apareceu uma cá por casa, que pareceia um pássaro, a sério... E para não variar, lá acordei o marido, aos gritos, coitado todo desorientado lá se enfiou na cozinha com ela, a julgar que era uma baratinha, mas haviam de ver o estado em que a cozinha ficou por causa da perseguição... E agora com o calor, até tremo só de pensar nas visitas delas... Meninas, de vassoura na mão venceremos!

Beijinhos
Carmen