quarta-feira, junho 04, 2008

De água no balde


Parece que é normal, na vida de todos nós, gostarmos mais de algo que a pessoa do lado tem. A pessoa do lado que, precisamente, daria tudo para ter exactamente o oposto. "A galinha da minha vizinha é melhor que a minha" é, por isso, um provérbio que se conhece desde muito cedo.
Na minha casa e na minha infãncia, quando brincava, imperava a teoria do "faz de conta". Ou seja, não havia comida a sério, produtos a sério, nada a sério.
Pelos vistos, por aquilo que ouvi falar, na casa e infãncia da minha prima Lili, havia arroz e massa reais quando ela brincava. Assim como acontecia com a Catarina quando ia para casa da avó, que morava em cima da minha avó.
Como é óbvio, eu morria de vontade que alguém me desse comida a sério para eu preparar os meus cozinhados. Por outro lado, tanto quanto me disseram, a Lili achou imensa piada à ideia da minha mãe: «Cá em casa brinca-se ao faz de conta...».

Olho agora para a Alice e ainda não sou capaz de saber o que prefiro. E por isso acho que vou dando a ideia conforme o dia em que estou e a disponibilidade para arrumar ou limpar. Por essa razão, hoje brincou-se com água no balde («Põe água no balde, mãe, vou limpar a tua casa.»). Mas amanhã, se for caso disso, pode vir a ser dia de "fazer de conta". Para todos os gostos.

Rita

6 comentários:

Sónia disse...

Pois, pois! Tudo o que meta agua é mesmo à base do faz de conta!!!!!

Alma Minha disse...

Pois... comigo também foi muito à vase do "faz de conta"...
Aí é tão diferente ter só meninos...
Beijos

Joana disse...

Quando R. pede coisas que não tem ou não pode ter, ou com que não pode brincar digo-lhe para ela usar um imaginário. Já há muito tempo que faço isso. No inicio ela não percebia bem, mas cedo começou a por a imaginação tão tipica da sua idade a funcionar. Agora tem um mundo inteiro gigante imaginário, com bebes, chávenas de chá, e tudo o que ela quiser. E ela tem usado e gozado desse mundo. É fantástico! Bjs Joana

Oficinas RANHA disse...

Na semana passada fizemos de conta (por sugestão dela) que eu era a mãe e ela a filha, e noutro dia que ela é que era a minha mãe...
Ana Cristina

macati disse...

hmmm... precisava de uma ajudinha nas limpezas... dispensas-m essa miuda? eu dou-lhe um lanche extra... hehehe

O nosso dia-a-dia disse...

olha o meu pedro ainda este fim de semana me ajudou ,limpou os adornos parecendo que não, já foi uma grande ajuda,era só limpar o pó e já colocava as coisas no sítio e até tem jeitinho...bem já não escapa este fim de semana..ihihih
bjs só espero não ser acusada de trabalho infantil..eheh eh
bjs e bfds da outra ana cristina