segunda-feira, julho 16, 2007

Corte de cabelo

Antes, quando morava na outra casa que no fundo também ainda continua a ser minha, era a minha mãe que me cortava o cabelo. Ou pelo menos foi, durante muitos anos. Depois os cortes solicitados começaram a ser cada vez mais esquisitos e a minha mãe foi remetendo o serviço para os cabeleireiros.
Cortar o cabelo em casa obedecia a bizarros rituais. Tinha que ser antes de tomar banho e, dependendo do tamanho, ou seja, da idade, começava-se a pé na banheira e acabava-se sentada numa cadeira a olhar para o lavatório. A coisa mais estranha: tinha de estar quase nua, acho que era para os cabelos na roupa (e em todo o lado) não fazerem depois confusão à minha mãe.
Como será óbvio, depois desta descrição muitos não entenderão porque é que não gosto de me entregar, confortavelmente sentada e vestida, nas mãos de um cabeleireiro. Um qualquer, mesmo. Mas é mesmo verdade.
Troquei os papéis e gosto de ser eu agora a experimentar cortar o cabelo da Alice. As primeiras experiências foram a medo, só a franja e as pontinhas. Com muito cuidado para não asneirar a beleza e muito pavor de a magoar com a ponta aguçada da tesoura. Começo agora a ganhar descontração e apeteceu-me escadear, dar-lhe um look modernaço e fresco para o calor. Ficou espectacular, modéstia à parte a mão da tesoura. Mas, assim como assim, não tinha dúvidas que, mesmo que com um cabelo todo torto, a miúda ficaria sempre magnífica. Modéstia à parte.

Rita

7 comentários:

Anónimo disse...

Fantástico, está com um ar mesmo fresco... Acima de tudo admiro a tua coragem (meu Deus!!!) e a da Alice tb por se entregar assim e ficar tão quietinha.
Esta missão seria impossivel lá em casa, ih ih ih acho que é por isso q a Laura ainda tem aquele cabelão, e para combater o calor pede-me para fazer tranças e totós.
beijos
D

Joana disse...

Eu testemunho, o corte ficou muito muito bem. Eu estou com inveja... vou ter que levar a minha filhota ao cabeleireiro que os cortes da mãe, do pai e da avó começam a não funcionar... ela tem o cablo igual ao da mãe, lisinho lisinho, fininho, que e horrivel para cortar. não queres usar os teus dotes artisticos noutra cabeça pequenina? Tu es mesmo jeitosa. E a tua filha ficou lindona!!!

Elsa Serra disse...

Está mesmo gira!!! eu adoro cortar o cabelo da minha Bi, em 7 anos fui sempre eu que lhe cortei o cabelo e é um ritual bem divertido e que faz crescer a cumplicidade...

Oficinas Ranha disse...

Muito obrigada aos elogios, mesmo sabendo que o corte não é muito visível na fotografia...
Dê, sabes como invejo o cabelão lindo da Laura, aqueles caracóis magníficos...? Quem o dera para mim, aguentava o calor com todo o gosto, eheheheh!!!!
Elsa, será por isso que ainda hoje não gosto do cabeleireiro?! Acho que se não fosse por não me apetecer desnudar, ainda recorria à tesoura na mão da mãe...
Joana, como todo o gosto e cuidado, ofereço-me para um corte no cabelo lisinho da R. Para me atrever, só preciso de pensar o mesmo que pensei com a Alice: será impossível não ficar bem numa cara linda com a dela...
Beijinhos a todas, Rita

Rutinha disse...

bem, ainda tens vaga para mim? :) tb tenho o cabelo lisinho, eheheh

Rutinha disse...

ps - esqueci-me de comentar o corte. está mto giro, tens jeito!

Liliana-prima disse...

Acho que sim! Porque não pôr em prática alguns dotes de família! Quem sabe tens lá no fundo o gene da "tesourada". Eu cá não tenho (ou pelo menos acho que não). Nunca cortei o cabelo à sara mas, já tesourei muitos cabelos de bonecas! E, diga-se que o produto final não foi lá grande coisa!
lili