segunda-feira, junho 02, 2014

Da vida... E da morte

Dou por mim a pensar nas quaisquer falhas orgânicas ou de vida ou de formação de personalidade que fazem com que, para certas pessoas, em determinado momento, a vida deixe de lhes bastar. 
A vida por si só, quero eu dizer.
Como é que, por desgaste, infelicidade, desespero profundos, deixe de bastar aquela brisa fresca que se apanha de manhãzinha nesta altura do ano... Ou o cheiro que se espalha pela casa depois de se tirar um bolo de chocolate do forno... Ou a visão do mar... Ou a percepção da beleza de uma flor... Ou a audição de uma música que nos toca e arrepia os braços... Ou o abraço ou o colo dado a um bebe, mesmo quando ele não é o nosso... Ou a leitura de uma história ou visão de um filme que nos deixa e lágrimas nos olhos... Ou o prazer intenso da concretização de uma boa ideia...
Tudo coisas que nos fazem sentir vivos. A nós sozinhos. 
Já para não falar de tudo o que de bom tem para se recordar, todos os beijos de amor, os momentos em que vemos uma filha crescer, todas as brincadeiras que tivemos com os irmãos, os convívios com a família e amigos, as comidas que se provou, todas as aventuras de uma vida que já se teve.
Já para não falar na perspectiva do amanhã...
O que se passará para que alguém, num determinado momento da sua vida, que no fundo é curto, quase que um mero instante, se esqueça de tudo isso e lhe ponha cobro.

Gostei de ti, foste sempre uma presença fixe para mim, marcaste-me e não me esquecerei de tudo o que contaste e ensinaste e partilhaste. Tenho pena. Pena que, fundamentalmente, o tal momento ou instante tenha ganho. 
Rita

1 comentário:

Oficinas RANHA disse...

Eu também tenho muita pena...
AC