quarta-feira, setembro 15, 2010

Pequena história de Dona Panqueca, do alto da sua nova e vermelha cadeira-auto, e Senhor Crepe, encolhido na antiga cadeira dela

Lá fora, a serra e o escuro. Pela frente, uma viagem grande. Nos dois o sono pesa, mas nenhum se quer deixar demover, entusiasmados pelas brincadeiras recentes na casa cor-de-rosa, com os Bisos e a Tia-avó.
Senhor Crepe resmunga, pede água, está aborrecido. Não parece decidido a dar facilidades no início da viagem. A mãe sugere que dêm as mãos, lembranças de um ritual antigo entre manas, quando havia pesadelos.
Senhor Crepe rejeita primeiro, aceita depois. Dona Panqueca maravilhada com a acalmia dele. A bem dizer, todos maravilhados com a acalmia dele. A mãe lamenta interiormente não ter a máquina fotográfica à mão.
Lá fora o escuro e dentro do carro uma vozinha:
- Quando eu crescer posso casar com o Vasco?
- Não pode ser, vocês são irmãos e os irmãos não se casam uns com os outros.
- Então quem é que vai casar com o Vasco?
- Outra menina que seja namorada dele, de quem ele goste.
- Não! Não quero...!
Explicações sobre lugares e amores eternos, que ninguém rouba.
Dona Panqueca e Senhor Crepe de mão dada, praticamente a viagem toda, mesmo a dormir.
Rita

3 comentários:

rutinha disse...

linda história...só falta imprimires para lhes leres à noite ;)

Oficinas RANHA disse...

ahahhaha
Lembras-te de quando a Sara (priminha) queria casar contigo? Tu tinhas namorado mas ela não gostava muito dele...
Adorei, Ana Cristina

mena disse...

tão maravilhosos, dona panqueca e senhor crepe :)