segunda-feira, agosto 02, 2010

Resquícios da Irlanda

Há uns dias que ando a prometer uma coisa a mim mesma.
O meu amigo U. costuma dizer que o trânsito desperta o pior nas pessoas e acho que ele tem toda a razão. Uma pessoa sai satisfeita de casa e passados dez minutos já está a reclamar com o mundo de condutores à sua volta, com os disparates em que vai reparando, a insultar os seus proprietários na intimidade da viatura... o sangue pulsa mais rápido, acelera, desacelera...
Mas na Irlanda, em Dublin, em plena hora de ponta, os condutores não apitam... mesmo quando vão para lá os que conduzem à direita e fazem as idiotices normais depois de pegar num automóvel com tudo ao contrário... não apitam... e cedem a passagem... O cenário é tão calmamente estranho ou estranhamente calmo que só depois de algum tempo é que nos apercebemos...
Hoje atravessei Lisboa em hora de ponta, em Agosto, e um indivíduo atrás de alguém fartava-se de apitar para outro alguém. E foi quando eu, que já andava a reparar e a pensar nestas coisas, decidi que posso torcer-me toda, mas que vou tentar ser mais irlandesa nisto do trânsito... vamos lá ver se não me dá uma apoplexia motivada pelo silêncio...
Rita

2 comentários:

rutinha disse...

ui rita...cheira-me que daqui a uns dias te passa a vontade de seres mais irlandesa no transito...

Joana disse...

Não é só na Irlanda. É na maioria dos países ditos civilizados. Em paris não se ouve nem uma buzinadela, o que estranho sempre...estou contigo, tb tento, mas n consigo sempre... bjs