sexta-feira, junho 29, 2012

Olá cá estou eu, ou, Algo se passa neste reino Luso

Quem estes lados tem visitado já reparou que o ArRanhanoTrapo passa por mais uma fase de pouca actividade.
É verdade. Continuamos a adorar este projecto de fazermos algo em conjunto, de escrever para nós e para quem nos visita, de deixar opiniões, ideias ou mesmo relatos das vidas privadas (desde que não sejam muito privados, claro). Mantemos a ideia de desenvolvermos a nossa criatividade através da nossa assinatura Oficinas RANHA, e temos a certeza que em breve estaremos de volta com as nossas peças.
E não pense quem aqui vem que andamos apenas a pensar em férias. Estamos é muito mais embrenhadas na actividade social, e posso dizer que, pela minha parte, a personalidade reivindicativa que sempre foi uma das minhas características pessoais tem tido muitas razões para se desenvolver. 
Como sabem a instituição onde exerço há mais de 12 anos está a passar por um processo  de encerramento. Já aqui manifestei a minha opinião e ela não se tem alterado com os argumentos de reestruturação dos cuidados de saúde, com a existência de um bom conjunto de maternidades na região de Lisboa, incluindo as privadas, ou a necessidade de cumprimento dos acordos com os parceiros privados de prestação de cuidados de saúde (como é o caso no novo Hospital de Loures ou o de Cascais)

Dentro da MAC sente-se um desânimo muito grande e alguma revolta. Pensar que serviços como o meu vão abaixo depois de obras estruturais profundas com apenas 4 anos e serão "transferidos" para serviços que vão ainda ser remodelados é realmente decepcionante.
Mas pensar ainda que um serviço tão específico como a Neonatologia, onde se prestam cuidados a 42 bebés vai ser desfeito e, em troca, vão aumentar em 8 ou 12 (ainda ninguém sabe bem) o número de vagas da Neonatologia do Hospital da Estefânia (e que actualmente tem 16) para cumprir com os cuidados necessários à nossa população é em primeira linha  muito preocupante.
A minha primeira dúvida é muito simples. Para onde vão as 30 vagas de internamento para recém-nascidos com necessidades especiais que sobram? Mas tenho mais, muitas mais... Mas ninguém se preocupe, ninguém vai deixar de ser atendido... dizem os nossos governantes.

Ana Cristina e J. um bebé com 940 g. que me ficou na memória

6 comentários:

Oficinas RANHA disse...

Não me perguntem porque é que o fundo da mensagem ficou diferente. Estou pelos cabelos com este blogger...
Ana Cristina

joaninha disse...

Adoro a foto! Quanto as duvidas... Aguardamos pelas respostas quando/se as descobrires... Bjs

mena disse...

que trabalho maravilhoso que tu tens! :)

Oficinas RANHA disse...

Joaninha e Mena

Vocês sabem o quão orgulhosa eu sou da minha profissão. Ser enfermeira na área da neonatologia foi um acaso mas tornou-se um grande amor. Custa-me pensar que, provavelmente, vou ser obrigada a trabalhar noutra área. Mas a minha luta é pela manutenção, ou melhoria, da qualidade de serviços que se prestam no meu e noutros serviços da MAC. Penso que a população tem direito a ela.

Obrigada pelos vossos comentários neste blog que anda tão tristinho...

Ana Cristina

rutinha disse...

eu olho para a foto e so penso que fofinho é esse bébé...vê-se o amor que tens pela tua profissao! tomara muitos, bjnhos.

Oficinas RANHA disse...

Rutinha
O pessoal que trabalha com bebés prematuros acha-os muito bonitos. Eles têm uma beleza especial que transpira fragilidade e carência mas muita energia e vontade de lutar por o que querem.
E quanto ao amor pela minha profissão é verdade. Eu já trabalhei em vários serviços e, ao longo do tempo, fui aprendendo a gostar cada vez mais da minha profissão. No serviço onde estou agora encontrei uma das minhas duas paixões (como áreas de trabalho)... a neonatologia e a medicina da reprodução.
Beijinhos da Ana Cristina