terça-feira, abril 10, 2012

Não ao encerramento da MAC





Nós estivemos lá. Os quatro cá de casa, mais os dois da casa da Cristina, mais os dois da casa dos nossos pais. Mais não sei quantos que ali trabalham ou trabalharam ou gostariam de vir a trabalhar. Mais não sei quantos que lá nasceram. Mais não sei quantos que já lá tiveram filhos. Mais não sei quantos que não têm ali familiares, nem vínculo afectivo, nem qualquer relação, mas que vivem esta tão famosa crise diariamente e que ali viram os seus dinheiros gastos nas grandes obras realizadas. Mais não sei quantos que gostariam de saber os planos para todos os que ali trabalham ou para a futura utilização daqueles tão preciosos metros quadrados no centro de Lisboa. Mais não sei quantos que sabem que ali se faz nascer... e viver... e sobreviver.


Rita

2 comentários:

Anónimo disse...

Enquanto o Bastonário da OE (que é um EESMO) anda a dormir, há Enfermeiros que se fazem ouvir caso da nossa Colega Isabel Viçoso:

http://sicnoticias.sapo.pt/1486874

Será que o Enf Germano Couto só aparece para as “fotografias de família” com os políticos?

Oficinas RANHA disse...

Olá anónimo,
Suponho que sejas colega de enfermagem pelo teu comentário.
Pois é, enquanto muitos de nós estão a dar a cara pelas suas convicções, o nosso colega bastonário fica bem calado, sem dar nas vistas e sem qualquer opinião.
Mas a quem tivesse lido o programa da lista que ganhou a Ordem dos Enfermeiros não deve estar muito admirado. Era de prever que toda e qualquer decisão política do governo vigente seria apoiada pela lista que ganhou. Mais uma vez, estamos a colher aquilo que plantamos...
Ana Cristina